Escolha uma Página

opinião

Travesti ou mulher trans: tem diferença?

Não é possível distinguir no olhômetro quem é travesti e quem mulher trans, sendo assim, é necessário ter cautela ao tentar estabelecer características que separariam uma identidade da outra.

Quem arca com a escassez na crise

Se todos ganham dinheiro em tempos de crescimento econômico, que todos arquem com o ônus de forma proporcional, na medida de suas capacidades, nos momentos de crise.

Sérgio Moro: Dois pesos e duas medidas

Isso porque está mais do que comprovado um tratamento desigual, o que caracteriza a utilização do aparato judicial para fins de perseguição política. E isso é feio, Dr. Moro. Muito feio…

A mídia monopolizada também condenou Lula

A indignação seletiva, construída pela mídia, nos legou uma nação povoada por zumbis. Os lobotomizados respondem única e exclusivamente aos estímulo da mídia – capitaneada pela Rede Globo. Não têm vontade, nem opinião própria.

As águas do Brasil à venda

Como o governo Temer tenta forçar os Estados a privatizar suas companhias de abastecimento. As maiores reservas hídricas do mundo podem passar para transnacionais – com financiamento do BNDES.

A censura no Brasil veste toga

Ações judiciais civis e criminais correm contra blogueiros, jornalistas, comunicadores sociais, midialivristas e ativistas, promovendo uma verdadeira cruzada contra a liberdade de expressão com suas multas impagáveis.

Jesus é negro

“A imagem de um Jesus branco era muito conveniente.” Em sua coluna, o pastor Henrique Vieira mostra argumentos que explicam porque Jesus foi um homem negro.

Mais um ano. Mais Negra.

Neste aniversário vou comemorar estar mais um ano de vida preta. Vou comemorar estar viva. Estar no Fora do Eixo que me mantém sã e protegida.

Orgulho de quê, LGBTs?

Ao falarem do dia de hoje, lembrem-se de quem estava ali no batalhão da frente, dando a cara a tapa por não ter pra onde correr. Stonewall tem cor, tem etnia, tem classe, tem identidade de gênero.

São Paulo, metrô privatizado?

Uma privatização em surdina, e com enorme favorecimento ao comprador. Os metroviários resistem, e tornam-se decisivos nas greves gerais contra a agenda de retrocessos.

Não pode ser menina de pipi?

Eu não sei se esse bebê vai ser cis ou trans, mas sei que ele vai crescer numa família em que, seja ele menino ou menina, tenha ele pipi ou pepeca, ele terá liberdade de sobra pra descobrir quem é e não será menos amado por isso.

Distritão, não!

Há na Câmara dos Deputados um espírito de “salve-se quem puder”: A crise de representatividade desaprova o tipo de prática política hoje em curso, e o impacto do desgosto do eleitorado deve influenciar na renovação dos mandatos.

Quem tem medo do Funk?

Negar o Funk é negar as diásporas africanas, nossas raízes e ancestralidade cultural, é não entender a escravidão no nosso país, nem a resistência ao sistema covarde e opressor que vivemos.

As mães valentes das ocupações

Política, com P maiúsculo, é o que fazem essas grandes mulheres, na organização das ocupações, todos os dias, e não o que fazem esses homens minúsculos, escondidos atrás de seus gabinetes, na calada da noite.

A desmaterialização da literatura

No sistema literário de hoje a tríade autor-editor-leitor vem se modificando nas periferias do mercado tradicional e criando um próprio, a partir de uma economia da abundância, digital e colaborativa.

Uma Gorda dessas, bicho!

Anita se apresentou com dançarinas gordas e o assunto gerou polêmica nas redes. Peço então para que celebremos essas mulheres que são plenas, lindas e talentosas dando o adjetivo correto – gordas.