Reprodução

O dia 24 de janeiro foi o dia que três juízes de Porto Alegre falaram por mais de 8 horas pra justificar a condenação sem provas do presidente Lula. No mesmo dia do julgamento no TRF-4 cerca de 150 jovens estavam acampados na frente da Globo no RJ com muita criatividade e resistência. Organizaram o nosso JN, o Júri Popular, mostrando que o povo quer definir os rumos do país e que o julgamento do outro JN, o Jornal Nacional do TRF-4 e do Moro não nos representa. Teve também muita poesia no Slam e um ato político com uma ampla participação de parlamentares e movimentos sociais. A recepção da população foi incrível, muitos pararam para conversar, alguns se somaram e recebemos doação até de pizza.

É o segundo acampamento na frente da emissora e a vontade e necessidade de mais ações na Globo só crescem. O acampamento se encerrou com o fim do julgamento no TRF-4, mas antes a juventude deu um recado de resistência e indignação. Às 15hs os jovens acampados entraram no prédio da emissora e jogaram tinta em seu símbolo. Um recado de resistência e indignação frente a este golpe.

Ocupações, queima de pneus, trancamentos… É hora de entrar nos “Ao Vivos” para perguntar: “Cadê a prova?” e denunciar: “Eleição sem Lula é Fraude”. Temos que espalhar essa mensagem como fizemos com o Fora Temer que incomodou e tentaram censurar até se popularizar. Vamos gritar forte que o povo não é bobo, abaixo a rede globo. Apesar dessa frase já ser famosa nos atos, parece que a emissora Globo não desiste de tentar enganar a população.

Agora chegou ao limite da cara de pau e resolveu “ouvir” o povo, talvez pra combater a identidade de golpista… A Globo, muito generosa, está nos convidando a sermos cidadãos! A enviar um vídeo (na horizontaaaal) de 15 segundos em uma linda paisagem de sua cidade dizendo o que queremos para o futuro do Brasil. Então ela vai fazer uma seleção básica do que vai passar em seus jornais. E como o povo realmente não é bobo, essa campanha já é um fracasso. A Globo não desiste da campanha, e há quem se preocupe em como a emissora vai usar esses dados, em pleno ano eleitoral.

Enquanto isso, tem muita gente indignada fazendo vídeos em cenários que mostram os problemas, e outros preferem a ironia com a campanha. Durante o acampamento em frente a Globo essa iniciativa também foi ridicularizada.

O convite foi feito, vamos postar na internet vídeos (esses podem ser na vertical e em qualquer cenário) que comentem como queremos nosso futuro sem a Globo!

Segundo dados coletados pelo Intervozes em uma pesquisa divulgada semana passada, a Rede Globo, inaugurada há 52 anos, concentra uma audiência maior que os outros 4 maiores grupos brasileiros de comunicação. Hoje é considerada a 19°maior conglomerado de mídia do mundo (foi 14ª em 2016), diz atingir quase metade da população brasileira diariamente (100 milhões), além de possuir a segunda maior rede de TV do mundo. 15 segundos para ouvir o povo é muito pouco frente a tamanha concentração de comunicação e poder. E como a gente vê por aqui, esse poder todo está bem longe de princípios democráticos, de representar a pluralidade do povo brasileiro. Afinal, a emissora tem interesses ideológicos e econômicos, a Família Marinho possui empresas, além das ligadas a Rede Globo, em diversos ramos: três no agronegócio, três na área imobiliária e uma de finanças, ainda com base na pesquisa do Intervozes.

O Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP) mostrou que em quase 8 meses em 2016 o Jornal Nacional dedicou 13 horas para criticar o Lula, essa tabela mostra a diferença entre matérias negativas e neutras sobre o presidente.

Hoje a Globo usa o direito de transmissão para contar uma história cheia de convicção e sem provas. Uma história que tem dois pesos e duas medidas. No mesmo dia 24 a Procuradora Geral da República pediu o arquivamento do inquérito  sobre caixa 2 contra o Serra, mais uma vez saindo ileso e isso quase não foi notícia. Assim como todos os outros golpistas que possuem provas contra eles, gravação, malas de dinheiro escondidas… é no máximo uma tornozeleira eletrônica.

Em 31 de agosto de 2013, o jornal O Globo lançou um editorial, onde assumia e pedia desculpas por ter apoiado o golpe de 64. Um dia antes o Levante jogou merda no prédio da emissora. A verdade é dura, a rede globo apoiou a ditadura. Mas, não foi só em 64, em toda sua história a Globo esteve contra o povo. É só lembrar a capa de seu jornal em 1962 contra o 13º e seu apoio em todo o governo FHC das medidas neoliberais, seu silêncio durante o comício das diretas já em 84, a campanha de Lula em 89 onde o debate eleitoral foi totalmente manipulado favorecendo Collor.

A Globo segue produzindo uma história do Brasil, sempre de acordo com os interesses das elites.

Diante de tanto poder concentrado na Família Marinho, vai ser necessária muita organização popular e ousadia para que a história que a Globo quer construir de nosso país não passe como verdade. A Frente Brasil Popular acaba de anunciar o Congresso do Povo que vai se espalhar pelos municípios do Brasil para realmente pensar o que o povo quer para seu futuro, porque estamos perdendo direitos em nosso presente, quem são os inimigos do povo. A história são os povos que a fazem com luta, resistência, de forma coletiva e é essa participação efetiva, que dura muito mais que 15 segundos que tem a força para democratizar o país e a mídia.

Mais Fritações:

Livro Videologias: ensaios sobre televisão de Eugênio Bucci e Maria Rita Kehl

Video do Levante sua Voz: Como a mídia brasileira sufoca a liberdade de expressão

Filme: Muito além do cidadão Kane

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Copa FemiNINJA

Um amor, um coração: Reggae Girlz unidas por um sonho

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal