Bandeira do Estados Unidos do Brasil, utilizada oficialmente em 1889 por quatro dias.

Nos anos 1940, fugindo do nazismo, o escritor austríaco Stefan Zweig mudou-se para o Brasil, onde teve contato com uma terra que, em suas palavras, “o encantou e comoveu”. Em seu livro ‘Brasil, País do Futuro’ foi além do lugar comum de exaltação de belezas naturais, e versou sobre as potencialidades de uma sociedade que afastava a segregação racial e subjugação do outro, tinha aversão a guerras e desconhecia perseguições religiosas. Sua visão idílica o impediu de se aprofundar nas marcas da escravidão, nas atrocidades do Estado Novo e tantos outros problemas que poderiam ser destacados. Contribuiu, porém, para a construção de uma visão sobre nós mesmos enquanto uma nação com capacidade de superar mazelas históricas e desenvolver-se.

Diante da instalação de uma cleptocracia no Palácio do Planalto, da retomada de projetos de privatização de setores estratégicos e da entrega da Amazônia, não há como deixar de questionar sobre onde foi parar o Brasil dos olhos de Zweig. Combinado a esses fatores, o corte de investimentos em educação e pesquisa são a receita para levar o Brasil a se transformar não no país do futuro, mas da subserviência.

Enquanto o Ministério de Ciência e Tecnologia de Temer cobra das Universidades e Institutos Federais uma adaptação a tempos de escassez, bilhões escoam com pagamentos de juros da dívida, desonerações e sonegação fiscal, sem mencionar nas malas encontradas no apartamento de um ex-ministro, e das que compram votos no Congresso Nacional, que servem tanto para aprovar reformas que espoliam o povo quanto para assegurar a impunidade de quem institucionaliza a corrupção.

A situação é alarmante.

No primeiro semestre de 2017, 70% das Universidades Federais sofreram cortes, e os investimentos em ciência, tecnologia e educação superior já representam 50% do que lhes havia sido destinado em 2015.

De acordo com os cálculos de Carlos Rocha, professor do Instituto de Economia da UFRJ, o contingenciamento deste ano já representa uma perda de quase R$ 12 milhões por dia.

Com os Institutos Federais não é diferente. Depois de experimentarem a maior expansão de sua história, interiorizando a educação profissional e tecnológica, pública e de qualidade, estão com um contingenciamento de 20% de custeio e de 55% em investimento nos seus orçamentos de 2017, para uma previsão que já era menor em comparação a 2016. Alunos estão abandonando seus cursos em função da redução do auxílio que recebem, pagos com o decrescente recurso da assistência estudantil, fundamental para garantir a permanência e êxito dos estudantes de baixa renda.

No momento em que o Brasil deveria aproveitar seu bônus demográfico, o CNPq está autorizado a gastar apenas 56% do total previsto do orçamento aprovado para este ano, grande parte já executado, o que coloca em risco a continuidade das bolsas de mestrado e doutorado, bem como de pesquisas em andamento, inclusive com perda de resultados.

Um entrave real ao nosso desenvolvimento, que impede a possibilidade de agregação de valor direto à ciência e à economia nacionais por meio do avanço tecnológico.

Sem pesquisa não há inovação, sem a qual não há desenvolvimento.

Abrimos mão de setores estratégicos ao mesmo tempo em que fechamos as portas da educação profissional e superior e para a construção de um futuro soberano.

Em contraste absoluto com o que vislumbrava Zweig, ‘Caravana’ — canção lançada por Chico Buarque recentemente —, retrata esse Brasil de hoje, bem como o que poderemos nos tornar caso o presente estado de coisas seja mantido. Coloca luz sobre. “A gente ordeira e virtuosa que apela pra polícia despachar de volta o populacho pra favela, ou pra Benguela, ou pra Guiné”, diz uma estrofe. Vai além em “filha do medo, a raiva é mãe da covardia”.

Nada mais correto, afinal, há outra maneira de nominar o que está sendo feito que não covardia?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império