"Hora de reagir", brinca cartaz de participante da Marcha pela Ciência em Londres, do lado de fora do Museu de Ciência da cidade. Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP

“Hora de reagir”, brinca cartaz de participante da Marcha pela Ciência em Londres, do lado de fora do Museu de Ciência da cidade. Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP

Os tempos difíceis que vivemos não são privilégio do Brasil. O conservadorismo obscurantista vem dando as caras em todas as partes do mundo, sob diferentes formas de expressão. Xenofobia contra refugiados na Europa, o propósito de “civilizar os índios”, expresso essa semana por um deputado no plenário da Câmara, a violência contra o turbante de uma jovem negra em plena festa de formatura universitária! Sem contar as ameaças de conflagração mundial postas pelos rompantes belicistas do governo americano.

A era Trump é, literalmente, uma ameaça global, potencializada pela hegemonia americana sobre a imaginação mundial.

Nem em nossos piores pesadelos suporíamos ter que enfrentar a invasão dos Robocops. Trump trouxe de volta o nacionalismo na sua expressão mais estreita: vide o muro contra a imigração latino-americana; ou a defesa dos empregos industriais, que a financeirização da economia americana exportou, às expensas dos cuidados ambientais.

É neste contexto que se explica sua investida contra a ciência, a campanha de desmoralização das pesquisas sobre mudanças climáticas, posta em prática desde o período eleitoral. Deslegitimar esse tipo de ciência é condição necessária para o sucesso de uma estratégia econômica e geopolítica que combina truculência com a necessidade de legitimação imediata pelo senso-comum.

Insurgindo-se contra isso, a Marcha pela Ciência ganhou as ruas nos Estados Unidos, no Brasil, na França, em muitos países, no último dia 22 de abril. Mais do que denunciar a retórica de Trump, tais manifestações procuraram demonstrar a condição basilar das ciências na enunciação do mundo moderno. Inclusive como expressiva da diversidade de perspectivas e de concepções sobre este mesmo mundo.

Não cabe dúvidas sobre o papel das ciências na alavancagem econômica das sociedades. 

Contradizendo fundamentalistas como Malthus, a evolução das ciências agrárias permite que a população mundial toda se alimente. Como a evolução das ciências da saúde permite virtualmente a todos a expectativa de alongamento da vida. A falta de comida e a falta de saúde não se devem a insuficiências materiais clássicas: devem-se sim a um deficit ético na distribuição da riqueza do mundo.

E sobre o entendimento dessa deficiência social também a ciência muito tem contribuído. Retrocedendo a Kant, espera-se da interpelação científica uma superação da “menoridade” a que nos reduz todo dogmatismo; um “esclarecimento” da desigualdade social que nos agrilhoa, mas cuja superação temos capacidade de imaginar e de construir.

Fazer ciência é um eterno romper limites – inclusive  nossos próprios limites. Não há efetivo avanço civilizatório se a própria ciência aceitar o inaceitável. O que exige na cena científica que se manifeste a pluralidade das vozes. Temas sociais como gênero e raça requerem que haja pensadores e pensadoras que a eles se dediquem reivindicando sua própria experiência, seu próprio sofrimento.

Por essa razão também, é criminoso o contingenciamento de 44% do orçamento brasileiro para ciência, tecnologia, inovação. Não apenas por ameaçar projetos em andamento. Mas por retardar e dificultar a expansão inclusiva de novos pesquisadores no horizonte da ciência brasileira, horizonte que cresceu exponencialmente nos primeiros anos deste seculo: vide o artigo de Nader e Davidovich no portal da SBPC “Ciência Brasileira: os últimos suspiros?”.

Neste primeiro de maio em que combatemos o funeral de nossos direitos proposto pelo governo ilegítimo que assola o Brasil, fazemos também o chamado a outra luta. Pelo gesto irreverente de Galileu ultrapassando a visão comum com seu telescópio.  Pela defesa de Kant à ousadia da razão. Pela convocação de Marx a todos os oprimidos do mundo.

Pela ciência, pela democracia, pelo planeta, pelos nosso direitos. Marchemos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império