Arte: Gilmar / Design Ativista

A semana que se encerrou trouxe, entre tantas atrocidades do governo Bolsonaro, duas lives particularmente alarmantes.

Na tentativa de estabelecer comunicação direta com a população brasileira, o Presidente, em uma ocasião, noticiou seu decreto inconstitucional liberando o porte de armas pela população, fazendo com as mãos o sinal de “arminhas”, acompanhado nesse histrionismo por diversos parlamentares sem-noção.

Em outro momento, assistiu a seu Ministro da Educação noticiar o corte dos recursos “discricionários” de financiamento das Universidades Federais usando bombons para explicar erradamente a proporção dos cortes. Excluída a hipótese de que o Professor Weintraub ( do campus de Osasco da UFABC) não saiba calcular percentagens, ficamos diante da tentativa de passar desinformação em doses cavalares.

O “contingenciamento” operado nos orçamentos das Universidades Federais de fato corresponde em média a 30% de seus gastos de custeio: segurança, limpeza, energia, telefonia, insumos para laboratórios e atividades docentes, manutenção da assistência estudantil. A essa mutilação somaram-se outras notícias horríveis, com destaque para a suspensão de bolsas da CAPES, atingindo alunos matriculados em Mestrado e Doutorado, alguns fazendo seus estudos fora do Brasil.

Para usar as imagens de gosto do Presidente, essas mediadas são artilharia pesada contra estudantes, professores, técnicos, contra toda a comunidade universitária.

Em outros momentos de sua breve história ( comparada com a tradição quase milenar da Universidade européia e com a tradição pentassecular da Universidade nas Américas), a Universidade brasileira já enfrentou escassez e restrições a seu financiamento. Dificuldades conjunturais que não se comparam à presente ofensiva, que é deliberada e programática.
Não podemos permitir que “esse bando de doidos”, na expressão contundente e apropriada do Presidente Lula, imponha ao Brasil sua agenda obscurantista, claramente lesiva aos interesses da nossa soberania .

É impossível conceber um projeto nacional de desenvolvimento que não considere como recurso crucial o sistema nacional de educação superior, constituído pela rede de Universidades e Institutos Federais.

Por isso, toda a população brasileira está convocada a defendê-la, e, ao fazê-lo, defender o Brasil.

Todos à rua no dia 15 de Maio pela Democracia e pela Educação brasileira!!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império