.

Recebi 15 perguntas do Jornal O Globo com o suposto objetivo de divulgar as opiniões dos candidatos.

Minhas opiniões e posições a respeito dos 15 temas apresentados são de conhecimento público e divulgadas permanentemente nas minhas redes sociais.

Decidi não atender à demanda do jornal carioca como uma forma de protesto contra a sua postura sempre parcial na cobertura dos fatos e dos principais personagens da política em nosso país.

O Grupo Globo é um dos grandes responsáveis pela ruptura democrática que colocou Michel Temer no poder.

Eles também são co-responsáveis pela aprovação da reforma trabalhista e por essa política econômica que beneficiou banqueiros e grandes empresários às custas do sacrifício e da perda de direitos do povo trabalhador.

Por último, sua influência junto ao poder judiciário é o que provocou a prisão ilegal, covarde e injusta de Lula, o maior presidente da história do Brasil.

A perseguição da justiça promovida pelo Grupo Globo não se restringe ao presidente Lula. Ela se estende a todos aqueles que defendem ele e seus ideais de justiça social, sobretudo às lideranças do PT.

Eu mesmo, apenas no último mês, fui alvo de duas notícias fantasiosas (fake news) a respeito da minha conduta como parlamentar e de quando fui prefeito de Nova Iguaçu.

Acredito que todos aqueles que lutam pela verdade e pela democracia, não deveriam dar nenhum tipo de colaboração a um grupo midiático que há 50 anos, faz uso de seu imenso poder para distorcer fatos e manipular nossa população (muitas vezes com Fake News).

Sempre fizeram isso para influenciar o resultado das eleições e fazer prevalecer seus interesses econômicos, quase sempre antagônicos ao interesse público.

Por isso, como forma de protesto, decidi não atender à demanda de O Globo.

Não vou contribuir com um veículo parcial e que tanto mal faz à nossa democracia e ao nosso povo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?