Homenagens às crianças mortas no acidente em Suzano. Foto: Jorge Ferreira / Mídia NINJA

Dois assassinos fortemente armados entram numa escola e massacram alunos e professores.

Uma das propostas de Bolsonaro é a flexibilização do porte de armas. O símbolo da campanha é o sinal de arma. Toda a família defende ostensivamente o discurso da violência como solução para crise de segurança (bandido bom é bandido morto etc.). Defende também armar a população.

Bolsonaro defende as armas para solução de quase todos os problemas.

Estupro? Arma. Feminicídio? Arma. Criminalidade? Arma. E mesmo depois da tragédia de Suzano, qual solução foi apontada por um senador bolsonarista? Arma, para professores e servidores.

Nunca em nosso país se falou tanto em armas. Nunca se promoveu tanto a violência como solução para o país.

Um dos assassinos era defensor de Bolsonaro e de suas ideias. Como seu ídolo Bolsonaro, também defendia as armas como solução para os problemas.

Pois bem. O problema dele era ter o rosto com espinhas e ter sofrido bullying por isso. Abandonou o colégio.

O seu ícone nunca defendeu a educação. Ao contrário, qualifica constantemente os professores como mal da sociedade brasileira e culpados de uma suposta “doutrinação”.

Seu ícone nunca defendeu o diálogo como forma de solução de problemas. Ao contrário, sempre ridicularizou os discursos pacifistas e as medidas de conciliação.

Seu ícone defendia as armas para solução de problemas.

E essa foi a solução que ele encontrou para seu problema. Não foi se aceitar. Não foi voltar para o colégio. Não foi buscar ajuda dos professores para lidar com o bullying.

Foi entrar no colégio armado até os dentes, tirar vidas inocentes com requintes de crueldade e depois, seguindo a própria ideologia, executar o assassino, que era ele mesmo.

Ao apontarmos isso, os defensores de Bolsonaro nos acusam de “aproveitarmos a tragédia para fazermos palanque”.

Não. Estamos debatendo, com fortes argumentos, o incentivo das ideias de Bolsonaro a atos extremos de violência.

Infelizmente, a tragédia de Suzano pode ser apenas um exemplo do equívoco da ideologia armamentista defendida por Bolsonaro. Mas temos sinais de que poderemos ter muitos outros. Afinal, proliferam Guilhermes Tauccis nas redes sociais.
No lugar de nos acusarem levianamente de fazer palanque, tentem contra-argumentar.

Tentem defender o projeto de flexibilização do porte de armas e chorar pela tragédia em Suzano sem parecerem hipócritas ou loucos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?