Ato do MLB por moradia em Belo Horizonte. Foto: Mídia NINJA

O golpe institucional que derrubou a presidenta Dilma em 31 de agosto de 2016 instituiu uma verdadeira república de banqueiros em nosso país. É verdade que já vivíamos sob uma política econômica que garantia enormes privilégios para os super-ricos, para a grande burguesia, e migalhas para o conjunto da classe trabalhadora. No entanto, a situação ficou inegavelmente pior, pois o principal golpe foi contra os trabalhadores e trabalhadoras. E novos golpes, inclusive de caráter militar, não são descartados para o próximo período, como vimos as declarações recentes do alto comando das forças armadas.

Mas por que, mesmo sob um governo golpista, que destrói direitos históricos com a chamada reforma trabalhista ou com a PEC que congelou por 20 anos os investimentos em educação e saúde, não se tem uma revolta generalizada que derrube o atual governo ilegítimo de Temer e do PMDB?

Alguns vão responder: “é necessário alterar a correlação de forças”, ou seja, os de baixo, o conjunto dos explorados, precisam tomar consciência, se unir, ir à luta e passar a ter mais força dos que os que dominam. Mas por que, mesmo com tantas manifestações, ocupações, greves, isso não aconteceu?

A esta pergunta tentaremos responder com uma breve análise das posições apresentadas no movimento popular neste último período pós-golpe.

Vivemos dois importantes momentos em que houve a possibilidade real de alterar esta correlação de forças.

O primeiro foi durante o processo do impeachment, em 2016, quando as manifestações foram crescendo em todo o país até o dia da votação pelo Senado. Se, nesse dia, estava sendo consumado um golpe, então, além das manifestações, eram necessárias ações mais ousadas, como a ocupação do Congresso Nacional, a resistência da presidenta golpeada, a radicalização do enfrentamento com os golpistas, etc. Mas a postura da direção majoritária dos atos, do PT, do PCdoB, entre outros, foi outra: assistir num telão à votação e desestimular ações radicalizadas. Resultado: refluxo nas manifestações e mobilizações gerais. Mas apesar disso tudo, para demonstrar a disposição de luta de setores da população, não nos esqueçamos que após a votação do golpe institucional, setores da cultura desencadearam ocupações em dezenas de espaços ligados as Ministério da Cultura em todo o país, realizando um grande processo de resistência que conseguiu impedir a extinção do ministério.

O segundo momento foi quando, em outubro e novembro de 2016, estudantes secundaristas de 22 estados ocuparam mais de 1.400 escolas. O movimento se iniciou no Paraná e ainda obteve apoio dos estudantes universitários que ocuparam mais de 100 universidades. Lutavam contra a reforma do ensino médio e a PEC dos gastos públicos, luta essa que incentivou outros setores sociais a seguirem esse caminho. Nesse mesmo período as mulheres, sobretudo em SP, RJ e MG protagonizaram importantes lutas pela derrubada de Eduardo Cunha (então presidente da câmara dos deputados).

O efeito concreto desse enorme exemplo da juventude e das mulheres, ocorre já no início de 2017, marcado pela convocação de uma grande greve nacional da educação. Março começa com grandes atos do Dia Internacional da Mulher, seguidos dos atos do dia 15 e do dia 31 de março, quando milhões de pessoas foram às ruas pelo “Fora Temer” e contra as reformas trabalhista e da Previdência. Seguiu-se com a realização, em 28 de abril, da maior greve geral da história do Brasil, em que 40 milhões de trabalhadores cruzaram os braços, e depois com a marcha à Brasília, com mais de 200 mil pessoas, no dia 24 de maio. Daí em frente, ficou evidente que havia uma enorme disposição de luta da classe trabalhadora e uma nova greve geral foi convocada para o dia 30 de junho pelas centrais sindicais.

No entanto, em vez de avançar essas lutas e garantir a greve no dia 30 de junho, vários setores passaram a principalizar a campanha pelas “Diretas Já”. Sabemos que eleições diretas são mais democráticas do que eleições indiretas, mas bem pior foi o que acabou acontecendo. A tática de priorizar as diretas se transformou no abandono da greve geral e das lutas contra a reforma trabalhista, e acabou dando no “Fica Temer até 2018”. Algumas centrais sindicais participaram, inclusive, de uma reunião com Temer no Palácio do Planalto. Deste modo, a grande possibilidade de uma nova e gigantesca greve que podia, dentre outras coisas, ter impedido a aprovação da reforma trabalhista e tornado o Governo Temer insustentável ou, no mínimo, levado a uma maior radicalização das lutas da classe trabalhadora, resultou em uma greve geral bem menor que a anterior. A partir daí, veio uma nova reconciliação com parte do PMDB, mais precisamente com Renan Calheiros e Sarney, e uma sequência de equívocos, que tirou o foco das lutas.

Infelizmente, tamanho absurdo não pode ser creditado simplesmente a um erro tático, mas é parte de uma política que visa à conciliação entre as classes.

Esta política implementada nos últimos 12 anos, teve outros efeitos nefastos, pois acabou na prática, não modificando a estrutura das forças armadas, sua formação, seu comando, não se levou a cabo nem as recomendações da comissão da verdade. Ou seja, não se puniu nenhum dos torturadores e assassinos pelo terror de estado e os crimes que cometeram durante o período da ditadura militar (1964 a 1985). A impunidade do passado, gera a impunidade no presente e uma certa repetição da história, agora, diante de nossos olhos como “farsa”. E o resultado é, como vimos, nesses últimos meses várias declarações de militares pertencentes ao alto comando das forças armadas querendo reeditar um golpe militar em nosso país. E para os que defendem uma suposta institucionalidade que possa ter uma “intervenção militar” ou golpe no português mais correto, fazemos a seguinte pergunta: é institucional a tortura, inclusive de crianças? Os estupros? O pau de arara? A ocultação de cadáveres? A perseguição política? Como aconteceu no Brasil durante a ditadura?

Romper com as ilusões

É necessário romper com as ilusões de que somente com o caminho das eleições é que podemos fazer frente a essa situação.

Isso não significa a não participação nas eleições, pois, se assim procedermos, o povo ficará apenas sob a influência dos partidos de direita. Falamos isso por vários fatores. Um deles está além das nossas fronteiras. Precisamos ver a situação internacional, como a que nos mostra uma possível intervenção militar imperialista na nossa vizinha Venezuela, apesar da grande resistência do povo e de seu governo. Ver também que em nenhum lugar do mundo se caminha para uma democracia plena, pelo contrário, se aponta para muita repressão e limitação ainda maior da participação popular. Além disso, os governos dos ricos apontam para o desmonte dos direitos sociais e a cartilha neoliberal mundial aponta para o mesmo caminho, diminuindo direitos trabalhistas, previdenciários, aumentando o pagamento dos juros, transformando os trabalhadores em escravos.

Os ataques feitos pela grande burguesia e seu governo é a via de endurecer ainda mais a repressão, visam ao enriquecimento ainda maior destes setores, que não passam de 1% da população, mas que são os donos dos bancos, das grandes empresas, das terras, da energia e das telecomunicações, ou seja, mandam e desmandam em nosso país e querem se apropriar ainda mais do fruto do trabalho de milhões e milhões de trabalhadores e trabalhadoras, das riquezas naturais e privatizar a Eletrobrás e os Correios.

Essa política “produz acúmulo de riqueza em um polo” e aumento de “pobreza, miséria, tormento de trabalho no lado oposto”, como nos ensina Karl Marx, provocando mais de 14 milhões de desempregados e um verdadeiro caos social em todo o país.  Não será se abraçando com essas classes exploradoras e nem com seus políticos, pedindo a eles “por favor, explorem menos os trabalhadores” que dias melhores virão para nossa classe.

Mas além disso, esse 1% busca aprofundar ainda mais esse estado de exploração. Desse modo, vemos em nosso pais (e em algumas partes do mundo) um processo em curso, que na pratica é uma espécie de fusão do poder político mais reacionário, ou seja, anti-povo, contrário a transformações sociais a favor da classe trabalhadora, com o poder dos grandes monopólios, das grandes empresas e bancos. Essa política ficou conhecida em todo o mundo como Fascismo. Isso ocorre quando os políticos tradicionais já não conseguem garantir a manutenção da política de ganhos extremos para a grande burguesia, em nosso caso pela grande desmoralização que se encontram, atolados em casos de corrupção e escândalos diários, promovidos por uma imprensa que não tem nenhum compromisso social.

E não nos enganemos, ataques a exposições de arte (que não são meras cortinas de fumaça para esconder ataques maiores, mas fazem parte da mesma concepção da extrema direita que ataca a classe trabalhadora e defende o extermínio da juventude negra), o aumento da intolerância a determinadas religiões, aos movimentos populares, a esquerda, somados a perda de perspectiva de amplos setores populares da possibilidade de mudança da situação que vivem, são ambientes propícios para o avanço das idéias e práticas fascistas.

Construir uma alternativa popular nacional e de esquerda

Para fazer frente a essa política de gestação do fascismo em nosso país, precisamos recorrer a história e como os povos no mundo fizeram, para no passado, derrotar essa política. E nessa análise vemos que o único caminho possível é não termos medo, e promover uma ampla mobilização da classe trabalhadora e os setores mais empobrecidos da população, combinada com a mobilização de todos os setores que se propõem a combater essa política, sobretudo artistas, intelectuais, para lutarem contra o golpe militar e derrotá-lo no seu nascedouro.

E para sua implementação, outra medida é fundamental, a articulação de alternativas que visem reaglutinar a esquerda, não com o objetivo de reeditar a conciliação de classes, dado que os atuais partidos ditos de esquerda não pretendem nenhuma mudança profunda, mas apenas voltar ao governo para manter as mesmas classes dominantes no poder.

É necessário criar uma alternativa que possa promover uma luta implacável contra o oportunismo de todo  tipo e que tenha moral, junto à classe trabalhadora para ser ouvida e respeitada.

Neste sentido, há cerca de um ano, vários movimentos populares já existentes, tomaram a iniciativa de criação da Unidade Popular pelo Socialismo – UP. Trata-se de um partido de esquerda que nasce nesta conjuntura de enfrentamentos e radicalização e se propõe a ser um dos polos aglutinadores de novas forças que nos permitam avançar. Podemos e devemos criar as condições para vencermos e para isso, nunca foi tão atual a necessidade de desenvolver de forma ainda mais ousada, um grande trabalho de base nas favelas, nas ocupações, nos bairros populares, nas escolas e universidades, nas empresas e fábricas, levando a mensagem de esperança, com humildade, autoconfiança e combatividade.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Laio Rocha

3 gramas de maconha, encarceramento e o processo que pode despenalizar o usuário de droga no Brasil
Ver agora

Renata Mielli

Será o início da decadência do império da Globo?
Ver agora

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Pobre elite branca
Ver agora

João Brant

Virada política, Ocupa Política, Vamos e o abismo intergaláctico
Ver agora

Dríade Aguiar

Um amor entre mulheres pretas
Ver agora

Leandrinha Du Art

Leandrinha Du Art: Dói muito ver 'O TRAVECO ALEIJADO' tornando-se referência?
Ver agora

Margarida Salomão

Brazil on sale: a desgraçada conta do golpe
Ver agora

Amara Moira

A queda de braço entre o ENEM e a Escola Sem Partido
Ver agora

Manoela Miklos

Quem tem a força de saber que existe
Ver agora

Daniel Zen

A importância da participação do governo do Acre na COP-23
Ver agora

Daniel Zen

A laicidade do estado e o ensino religioso confessional no Brasil
Ver agora

Movimento dos Pequenos Agricultores

Indústria Alimentar e o Triângulo de Quatro Pontas
Ver agora

Margarida Salomão

Sejamos fortes para o próximo round contra Temer inspirados na razão de nossa luta: recuperar a democracia
Ver agora

Leonardo Péricles

A luta política atual e a necessidade de construir uma alternativa de esquerda
Ver agora