Foto: Mídia NINJA

Parecia um mundo novo, um mundo onde todos que ali habitavam, falavam a mesma língua: a língua da empatia e do respeito. Mas parecia um sonho de um lugar que estou longe de ver, onde a harmonia é regra. Andar livremente sem se preocupar com olhares e apontamentos.

Um mundo onde tenho meninos vestido de abelhinha, cores diversas, corpos variados e de manhã discutimos como vamos revolucionar a nação e em seguida vamos batucar a alegria que TRANSborda de nós num ritmo que toda dança é bem vinda, todo molejo ou não é bem vindo.

Choramos só de alegria, de contemplação, vivi o mais próximo que li sobre o arrebatamento da igreja na bíblia, corpos celestiais, de luz e de uma energia imensurável.

O amor transcende gêneros e orientação sexual, nem o frio mais tinha efeito sobre os corpos quentes que se privilegiavam em viver aquele momento.

Minha respiração, meus sussurros, minha pele pareciam mil vezes mais intensos. O gozar não é a mesma coisa, o suor brindava com energia que emanava daquele espaço.

A excitação não tinha hora o tesão era algo natural e nada programado, antes mesmo que os eletrônicos despertassem pela manhã, estávamos acordados celebrando o mais refinado e apurado sexo. A comporta de metal que se abria, fazendo com que o sol tocassem nossa cama era o batismo que selava definitivamente que naquele lugar as mais variadas formas de amar e ser amado se tornavam uma só e que não estamos mais falando de matéria e sim de sensações.

O sorriso era contagioso no café da manhã, os corpos pareciam ter sido contemplados com orgasmos múltiplos, a química parecia fazer de 400 pessoas um único organismo vivo.

Incontestável era a união de ideias e ideais, construção e celebração andando de mãos dadas. As únicas marcas que deixamos pra trás foram as do lençol todo amassado e de um box que se pudesse falar, cantaria, lavou, levou e revigorou o melhor de nos dois.

O último momento não tinha sabor de adeus, éramos eu e ele no meio do povo, como diz Karlota: Fazendo romance. Ele um piso mais baixo e eu de joelhos na cadeira de frente pra ele, seus braços me abraçaram, seus olhos me olharam, seus lábios me tocaram. Foi tudo natural, passamos despercebidos, a não ser por Karlota, mais enfim, ela tem licença poética pra gritar “OLHA O ROMANCE”, mal sabia ela que todos nós estávamos apaixonados pelos 4 dias que 400 pessoas passaram juntos. O último momento não tinha sabor de adeus e sim de um, até breve.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império