.

Começo trazendo um título da versão bíblica de edição pastoral em Mt: 23;13 que fala, “Jesus condena a hipocrisia religiosa”. No texto diz “Ai de vocês, doutores da Lei e fariseus hipócritas! Vocês fecham o Reino do Céu para os homens. Nem vocês entram, nem deixam entrar aqueles que desejam”; peguei esse trecho específico, que colocarei em outras versões a nível de curiosidade interpretativa, mas recomendo a leitura completa de  Mt: 23;13-39 para entendimento do contexto completo. Aplicarei uma analogia, usando o meu Twitter, que diz Correto é ser moralista, é ser juiz e júri e condenar. Baseado em doutrinas antiquada religiosa. Vituperar o outro é mais fácil que dignificar. Fazer o sensato requer abdicações p/ com o divino; das quais o ser humano não está inclinado a realizar. É tão nítido o desempenho humano para apontar o outro que não segue suas ideologias particulares, afim de colocá-lo à margem como a escória que, no seu ver e entender limitado, não segue os desígnios divinos.

Quanta hipocrisia, será mesmo que quem diz ter a autonomia para condenar em nome de Deus anda fiel aos mandamentos do seu senhor? Ou anda praticando o bem, como diz em Gálatas 6;9, agradando então a vontade de seu mestre?

A condição humana, essa mesma,  alienada tem um apreço que posso chamar também de sede, um desejo absurdo em desgraçar o outro quando o outro não pactua com suas ideias, que é absurdamente cruel; o egoísmo, encontrado quando não valorizamos o “irmão” ao lado, ao meu ver, é tratar a “santidade” que eu busco incansavelmente diminuindo os que divergem dos meus princípios me colocando como exemplo, como uma corrida, onde só existe um único vencedor, então eu uso minha “vitória” para se vangloriar dentro da minha bolha social.

A questão é que “santidade”, por exemplo, requer um longo e trabalhoso processo para alcançá-la, um dos passos para chegar lá, é se abdicar, quando eu digo isso, não é só se livrar ou abrir mão de coisas materiais, mas também de posicionamentos que segregam, de ideais que ferem, do controle massivo, do egocentrismo maligno, porém a grande massa de pessoas que dizem ser “fiéis” não se predispõem a construir um projeto de mundo onde todos “tenham vez no paraíso”. Pois por estar longe, e eu digo bem longe, da santidade esperada, que escrita está, é mais fácil tentar driblar, manipular os deveres para com deus. O monopólio sagrado ainda é motivo, se não um dos maiores para tanta segregação. Ninguém quer dividir o troféu, se é mesmo que ele existe. 

.



Abaixo deixo algumas interpretações de Mt: 23;13 

Jesus Condena a Hipocrisia dos Fariseus e dos Mestres da Lei
“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus hipócritas! Vocês fecham o reino dos Céus diante dos homens! Vocês mesmo não entram, e nem deixam entrar aqueles que gostariam de fazê-los”
NVI – Nova Versão Internacional

Jesus censura os escribas e os fariseus
Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante dos homens, pois vós não entrais, nem deixais entrar o que estão entrando”
Bíblia de Genebra

Jesus critica os líderes religiosos
“Que aflição os espera, mestres da lei e fariseus! Hipócritas! Fecham a porta do reino dos céus na cara das pessoas. Vocês mesmos não entram e não permitem que os outros entrem”
NVT – Nova Versão Transformadora

Sete ameaças contra os escribas e os fariseus
“Ai de vós, escribas,e fariseus, hipócritas, porque bloqueais o Reino dos Céus diante dos homens! Pois vós mesmo não entrais, nem deixais entrar os que querem”
Biblia de Jerusalem 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império