Atos pelas Diretas Já no Rio de Janeiro e em Brasília. Fotos: Mídia NINJA

Atos pelas Diretas Já no Rio de Janeiro e em Brasília. Fotos: Mídia NINJA

Que semana!

Esse é meu suspiro do dia.

Tive a oportunidade de participar dos dois grandes momentos de luta do Brasil: O primeiro, o ato em Brasília organizado pelas Centrais Sindicais e a Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo, e segundo o ato no Rio de Janeiro, puxado por artistas em conjunto com as Frentes. Duas manifestações com características diferentes, com desdobramentos outros e pautas iguais.

Em Brasília, no dia 24 de maio, a classe trabalhadora de diversos locais tomou o centro de poder do país. Com as bandeiras de seus movimentos e faixas que pediam a não retirada de direitos, o Fora Temer e as Direta já, deixou aquela cidade bonita e ocupada por quem realmente deveria governar.

O povo foi duramente reprimido. Resistiu. A bomba vinha. Recuava-se. Avança de novo. Mais bomba. Avança! Como diz na minha terra, estavam com sangue nos zói. O governo golpista, em desespero, convoca as forças armadas. O povo não queria ir embora. São seus direitos que estão sendo roubados. Resistir é a palavra de ordem. Se eles, polícia, tivessem deixado, e cá entre nós, se nós estivéssemos mais organizados e afinados, teríamos tomado o congresso de assalto.

Apesar de toda a repressão, os/as que estiveram em Brasília no dia 24 saíram animados/as. Parece que reascendeu aquela luzinha. Os ânimos voltaram. O povo está com vontade de luta e não vai ser a violência orquestrada pelo governo que nos sucumbirá.

Ai vem o dia 28 de maio, no Rio de Janeiro. Vamos combinar que ir ao Rio de Janeiro não é um esforço pra ninguém. Agora você imagina ir ao Rio, no momento político que o Brasil enfrenta, pra ver em Copacabana: Mano Brown, Caetano Veloso, Criolo, Teresa Cristina e outros cantando a luta pela democracia?! É no mínimo de ficar com cabelo em pé.

Não estava aquele sol, mas a neblina não foi suficiente para deixar o povo em casa. Mais de 150 mil pessoas ocuparam às ruas com seus cartazes e trajes em verde-amarelo e vermelho pedindo Diretas Já. O ato marcou o início de uma articulação com artistas e setores que em outro momento apoiaram o golpe.

A esperança é imortal

Dai, fiquei pensando… já pensou se somássemos o 24 e o dia 28?!

Vocês conseguem imaginar o rebuliço que ia dar no Brasil?!

E mais, se juntássemos os Parlamentares, a CNBB, a OAB e outras organizações que já se posicionaram contrárias ao governo golpista e em defesa das diretas já?!

Com uma forma diferente de fazer atos políticos. Fazendo o morro descer e as fábricas,as vias e as cidades pararem. Trazendo junto os setores médios. Massificando o movimento. Levando a construção desses atos para o Nordeste, Norte, Centro-Oeste e Sul. Saindo do eixo Sudeste. Atingindo diretamente a burguesia com uma nova Greve Geral!

Ao que me parece, esse é o caminho. Atuarmos em conjunto, numa Frente Ampla que paute a saída do usurpador Temer, eleições Diretas e, mais, que nos ajude a construir respostas que extrapolem o imediato, que nos ajudem a pensar e planejar o futuro, com um projeto alternativo ao neoliberalismo.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Lula da Silva: a democracia entre o passado e o futuro

Renata Mielli

Que manchete um jornalista daria para essa notícia?

Manuela d'Ávila

Joice, eu sou sinceramente solidária a você porque sei o que você está vivendo

Mônica Horta

Moda contemporânea e seus múltiplos caminhos

Dríade Aguiar

Liberdade para todas as pretas

Jean Wyllys

Carta a Dilma: Eu cuspi na cara dele por você, Dilma. Por nós.

André Barros

O fim do Bolsonaro

Renata Mielli

Já dizia minha mãe sobre desculpas, não dá pra atirar e pedir desculpa pro morto

Tainá de Paula

A milícia é a primeira prefeita da cidade do Rio de Janeiro

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado