Ao adentrar um espaço de poder historicamente branco e patriarcal, reafirmando sua negritude, sua identidade territorial-periférica, sua sexualidade, Marielle estremecia simbolicamente muitas estruturas fundamentais de uma sociedade capitalista-patriarcal.

Foto: Joana Diniz / Mídia NINJA

Com muita satisfação que estreio minha coluna na Mídia Ninja. Espaço tão importante e oportuno, me sinto abraçada e parte de mais do que um veículo de comunicação, mas uma nova forma ativista de pensar, informar, formar e ver o mundo. Por isso, não teria como não contribuir junto a tantas pensadoras e pensadores sobre o mundo que vivemos, mas fundamentalmente o mundo que queremos.Minha contribuição aqui será sobre Justiça, Segurança Pública, Feminismo e Racismo, articulando questões estruturais e quais são as ferramentas de execução destas estruturas que se executam por hierarquias e desigualdades.

Hoje, mais do que explicar alguma coisa, queria incutir perguntas para que façamos reflexão juntas. É assim que penso este espaço, uma troca constante, na qual vamos construindo pensamento e ação políticas.

O tema hoje é a criminalização das mulheres. Logo quando pensamos neste título, vem à nossa cabeça a criminalização do aborto. Mas será só isso que nos criminaliza?

Qual a raiz e as motivações da construção imagética de uma mulher criminosa? E a pergunta de Angela Davis que me faz pensar todos os dias: o que é crime e quem define quem é criminoso?

Por muito tempo, a punição às mulheres se estabelecia na esfera privada. O contrato social, normatizador da vida em sociedade, pelo poder exercido pelos homens, e portanto patriarcal, subjuga as mulheres. Variados estudos antropológicos e das ciências sociais apontarão que a necessidade do controle sobre a propriedade e a herança estabelece esta necessidade de controle sobre a liberdade e os corpos femininos. Se o hereditário passa a ter importância, constituído sob um núcleo familiar e as relações estabelecidas sob a égide da propriedade, a submissão e controle reprodutivo das mulheres se coloca, já que esta hereditariedade se constitui de modo patrilinear (do pai para os filhos) e em uma sociedade patriarcal (na qual o poder está concentrado nos homens). Ao não seguir estes termos do contrato social-sexual – você pode ter mais informações sobre o contrato sexual em Carole Pateman, 1996 – colocando em risco a hereditariedade e a conservação da família, a mulher se descumpre seu papel determinado na sociedade e, portanto, se torna desviante. E ao se tornar desviante, deve ser punida com rigor – é neste campo que a religião entra como ponta importante na sociedade capitalista, posto que a família é uma instituição importante na estrutura da ordem mercantil. A moral, portanto, é um sustentáculo da constituição da figura da mulher criminosa.

Em sendo consideradas propriedades, as punições às mulheres eram determinadas e executadas por seus maridos, tendo, inclusive, respaldo legal para a execução de castigos físicos.

Um bom exemplo para acompanharmos este raciocínio é a série The Handmaid’s Tale. O que faz daquelas mulheres criminosas e, portanto, passíveis da punição – ou de sua purificação – cumprindo o papel de aias? Naquela sociedade distópica (nem tão distópica assim, não é mesmo?), conforme a série vai avançando, vão sendo contadas para nós as histórias daquelas aias: mulheres que se casaram com homens que haviam se separado (sendo o casamento um sacramento, o divórcio, pelo exercício religioso, não é permitido), lésbicas, prostitutas, mulheres que faziam uso abusivo de substâncias consideradas ilegais, etc. Ou seja, mulheres que não cumpriram, segundo valores morais-religiosos, com o papel determinado em uma sociedade conservadora patriarcal. Ao pensarmos o sistema penitenciário e a etimologia da palavra, fica mais evidente meu travessão acima sobre a “purificação”. Carla Akotirene, importante intelectual negra, ressalta a ideia do penitenciário como o lugar da penitência. Ou seja, o peso moral e religioso presente. Ou seja, pela expiação de um desvio do divino, o indivíduo deve ser punido. Se pensarmos em como funcionam as instituições carcerárias do Brasil e suas condições degradantes, o peso desta ideia moral-religiosa aumenta: seria como a manutenção da ideia de que pelo sofrimento é que se alcançaria uma suposta purificação. Mas purificação do quê?

No caso das mulheres, estas questões se amplificam, posto que ao sair do campo da punição apenas doméstica e ganhando a sociedade, estas mulheres eram enviadas para espaços religiosos e hospitais psiquiátricos. As punições, portanto, deveriam ser mais duras e com o sentido de corrigir a moral destas mulheres. E este modelo segue.

A criminalização e punição às mulheres se intensifica na contemporaneidade. Os números do Departamento Penitenciário explicitam e amparam minha afirmativa: entre 2000 e 2014, houve um aumento em 567,4% no contingente de mulheres encarceradas, enquanto que o aumento entre os homens foi de 220%. E o número de feminicídios não para de crescer. Uma mulher é assassinada a cada duas horas no Brasil. A violência doméstica é epidêmica e o exercício deste poder tem relação histórica direta com um passado no qual mulheres eram propriedades, por lei, de seus cônjuges.

E uma categoria analítica tem se intensificado, como tem apontado a demógrafa e intelectual Jackeline Romio: o feminicídio político. Como definir tal categoria? O assassinato de Marielle Franco é emblemático. As violências sofridas por mulheres no ambiente político também são inúmeras. Ao completarmos 1 ano do assassinato de Marielle Franco, antigas perguntas seguem, mas novas se estabelecem: quem matou Marielle Franco e por que? No que tenho refletido, muitas podem ser as análises periciais das motivações daquele assassinato. Mas ao adentrarmos a esfera simbólica, muitas mais questões se colocam. Marielle Franco era uma mulher negra favelada e lésbica e que rompe, portanto, com todos os lugares determinados de seu grupo sócio-racial na sociedade.

Ao adentrar um espaço de poder historicamente branco e patriarcal, reafirmando sua negritude, sua identidade territorial-periférica, sua sexualidade, Marielle estremecia simbolicamente muitas estruturas fundamentais de uma sociedade capitalista-patriarcal.

A intelectual bell hooks, em “Olhares negros”, afirma que “amar a negritude é perigoso em uma cultura supremacista branca – tão ameaçador, uma brecha tão grave no tecido da ordem social, que a punição é a morte”. Ao romper com um papel pré-determinado a ela, e não podendo ser facilmente relegada a criminalização e marginalização, os algozes de Marielle Franco, do centro do poder, determinam uma punição marcadamente forte, bruta e exemplar. E é preciso que entendamos este simbolismo para que façamos além do que estampar o nome de Marielle em placas, camisetas e posteres.

Portanto, falarmos de criminalização de mulheres deve ser amplificado em conceito e formulação de ação política. Neste sentido, uma criminologia crítica feminista não pode jamais prescindir de olhar estrutural e interseccional. Afirmar um sistema penal seletivo significa compreender que precisamos de radicalidade para desmantelá-lo. Mais, ainda relembrando bell hooks, em uma citação do teólogo James Cone, é premissa de um pensamento crítico sobre criminalização e sistema penal, perceber que não é possível “sustentar a branquitude e a humanidade ao mesmo tempo”, posto que temos uma sociedade fundada e constituída, em todos os seus aspectos, sob a perspectiva supremacista do grupo identitário branco. Sendo assim, destruir as ideias formadas sobre crime e criminoso passa por reposicionarmos os conceitos de liberdade, de democracia e de humano. Esta não é uma tarefa de reflexão fácil. Mas é o que me pretendo a fazer com vocês neste espaço.

Juliana Borges é escritora. Estuda Sociologia e Política na intenção de se tornar Antropóloga. Foi Secretária Adjunta de Políticas para as Mulheres e assessora da Secretaria do Governo Municipal da Prefeitura de São Paulo (2013-2016). Estudou Letras. Foi articuladora política da Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas. É feminista antiproibicionista, abolicionista penal e autora do livro “O que é encarceramento em massa?” da série Feminismos Plurais. Agora, também, uma Ninja.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império