Diante de qualquer tentativa de censura à arte, a única coisa a não fazer é ceder

É lamentável a decisão do Santander Cultural de fechar a exposição Queermuseu, em Porto Alegre, depois de um ataque histriônico e autoritário de integrantes do MBL, grupo extremista de direita manobrado política e economicamente por legendas como o PSDB e o PMDB.

Respondendo de forma açodada à manifestação obscurantista do MBL, o Santander Cultural feriu a Constituição Brasileira, que garante a “livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. Também feriu os princípios mais elementares da liberdade artística que, em nenhuma hipótese, admitem tutela na relação entre o público e a obra de arte.

É inadmissível que, no Brasil, ainda sejam praticados atos autoritários de interdição a obras de arte e a outras formas de expressão baseados na opinião de grupos moralistas, sectários, fundamentalistas religiosos ou simplesmente oportunistas, como é o caso do MBL – um movimento de feições fascistas empenhado em impor, em nosso país, o pensamento único baseado na mais retrógrada ideologia neoliberal.

Depois de décadas lutando contra a ditadura, a censura e o autoritarismo de Estado, a sociedade brasileira deve reagir com firmeza contra esse episódio. Devemos demonstrar, com clareza, total repúdio à escalada reacionária que ameaça a democracia e os direitos humanos em nosso país.

Os ecos do golpe de 1964 não nos deixam esquecer a tragédia de 25 anos de uma ditadura que se concretizou a partir da fabricação de um ambiente de instabilidade política, moralismo exacerbado, manipulação midiática e ruptura da coesão social. Não podemos nos enganar. A história se repete.

Hoje, como ontem, há um movimento organizado para subjugar o nosso país a interesses locais articulados com grupos econômicos internacionais. O caldo de instabilidade está cada vez mais denso, cada vez mais propício a investidas violentas e brutais. São muitas as tentativas de calar os artistas. Tentaram fechar o Ministério da Cultura, lembra? Não conseguiram, mas, na prática, sufocaram o ministério e estão inviabilizando as políticas culturais emancipatórias e bem-sucedidas dos governos Lula. Agora, tentam calar os artistas e amordaçar a arte, pois sabem que é por meio da cultura que as sociedades se defendem contra os ataques externos e contra as tentativas de romper sua soberania.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império