Diante de qualquer tentativa de censura à arte, a única coisa a não fazer é ceder

É lamentável a decisão do Santander Cultural de fechar a exposição Queermuseu, em Porto Alegre, depois de um ataque histriônico e autoritário de integrantes do MBL, grupo extremista de direita manobrado política e economicamente por legendas como o PSDB e o PMDB.

Respondendo de forma açodada à manifestação obscurantista do MBL, o Santander Cultural feriu a Constituição Brasileira, que garante a “livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”. Também feriu os princípios mais elementares da liberdade artística que, em nenhuma hipótese, admitem tutela na relação entre o público e a obra de arte.

É inadmissível que, no Brasil, ainda sejam praticados atos autoritários de interdição a obras de arte e a outras formas de expressão baseados na opinião de grupos moralistas, sectários, fundamentalistas religiosos ou simplesmente oportunistas, como é o caso do MBL – um movimento de feições fascistas empenhado em impor, em nosso país, o pensamento único baseado na mais retrógrada ideologia neoliberal.

Depois de décadas lutando contra a ditadura, a censura e o autoritarismo de Estado, a sociedade brasileira deve reagir com firmeza contra esse episódio. Devemos demonstrar, com clareza, total repúdio à escalada reacionária que ameaça a democracia e os direitos humanos em nosso país.

Os ecos do golpe de 1964 não nos deixam esquecer a tragédia de 25 anos de uma ditadura que se concretizou a partir da fabricação de um ambiente de instabilidade política, moralismo exacerbado, manipulação midiática e ruptura da coesão social. Não podemos nos enganar. A história se repete.

Hoje, como ontem, há um movimento organizado para subjugar o nosso país a interesses locais articulados com grupos econômicos internacionais. O caldo de instabilidade está cada vez mais denso, cada vez mais propício a investidas violentas e brutais. São muitas as tentativas de calar os artistas. Tentaram fechar o Ministério da Cultura, lembra? Não conseguiram, mas, na prática, sufocaram o ministério e estão inviabilizando as políticas culturais emancipatórias e bem-sucedidas dos governos Lula. Agora, tentam calar os artistas e amordaçar a arte, pois sabem que é por meio da cultura que as sociedades se defendem contra os ataques externos e contra as tentativas de romper sua soberania.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Renata Mielli

Fake News: A apologia da verdade como instrumento de censura

Ivana Bentes

Museu Nacional: Não é acidente, é barbárie!

Lindbergh Farias

Lindbergh Farias: Globo não me representa

Israel do Vale

Israel Do Vale: O que será da Folha nas mãos do irmão que sempre cuidou da área comercial?

Laio Rocha

Como frear o encarceramento em massa no Brasil e nos EUA?

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como estímulo para o progresso da comunidade

Ericka Gavinho

Ericka Gavinho: Em que sociedade nos transformamos?

Renata Mielli

Caso Bolsonaro: vamos conversar sobre fascismo e ódio?

Gabinetona

Plano diretor e a luta pela gestão democrática das cidades

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro