Foto: Mídia NINJA

Acho que a decisão de prender Lula já está tomada. E me parece que não vai demorar.

Isso significa que o golpe entrou em nova fase. Estão se sentindo em condições e fortes para dar o golpe final antes das eleições.

Acho que inevitavelmente virá a fase repressão. Seletiva, planejada, sem a brutalidade exposta como na ditadura militar.

Parece que praticamente fecharam todo o universo institucional. Não tenho condições de ter uma radiografia do poder, mas não tenho dúvida que esse golpe que estamos vivendo tem planejamento, articulação e que trabalham de forma muito articulada.

O que resta neste nível institucional devemos disputar. Temos do nosso lado, potencialmente a maioria do povo, setores democráticas, a maioria dos intelectuais, os movimentos sociais e uma consciência e uma memória dos ganhos e avanços dos nossos governos.

A luta é entre a democracia e o estado de direito versus a ditadura jurídica/midiática/parlamentar.

Me angustia que não estejamos nos preparando e debatendo; que a direção e seus órgãos dirigentes não estejam analisando junto às bases a evolução da situação. Por paradoxal que seja a direita avança e ao mesmo tempo o movimento democrático cresce. Somos responsáveis por essas pessoas que estão se expondo para defender a democracia e o presidente Lula. Existe um invento democrático forte e em crescimento.

Vejo na internet uma radicalização das nossas bases sociais principalmente da juventude. E uma certa confusão sobre o que fazer.

Achei certo desmobilizar a concentração em POA antes do resultado. Naturalmente viraria o primeiro confronto, tudo que a direita quer. Matar esse movimento no nascedouro.

Mas o movimento social em geral precisa que os partidos e seus dirigentes orientem e interpretem esse momento, apontado para o que fazer. Entramos em uma nova conjuntura depois de 24 de janeiro.

A sensação de muitos e minha também é que estamos atrasados. A direita está sabendo o que quer de cada momento e tem extraído dividendos políticos. Estão mantendo a dianteira, organizando o cenário e estão se dando bem até agora.

Não estamos mortos nem liquidados. Pelo contrário. Lula só cresce e nossa base ampliou. Estamos vendo nascer um grande movimento democrático de massa. O caráter ditatorial está cada dia mais explícito.

Vai ser preciso analisar esse novo momento e orientar o movimento democrático.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle