.

Em diversas entrevistas, o deputado Jair Bolsonaro foi questionado pela imprensa sobre tudo o que o país inteiro já sabe sobre ele. Sim, todos nós sabemos que Bolsonaro é homofóbico, machista, racista, que defende a tortura e a pena de morte, que reivindica a ditadura militar, que despreza a democracia. Tudo isso é muito grave, mas não é novidade.

De fato, o candidato fascista usa esse discurso caricato para gerar polêmicas, conseguir que as pessoas falem sobre ele e evitar qualquer chance de ter que expor sua absoluta incompetência e falta de ideias e propostas concretas para a economia, o emprego, a educação, a saúde, o meio ambiente, as relações internacionais, etc.

Por isso, eu estou torcendo para que, nas próximas entrevistas, os jornalistas comecem a questioná-lo sobre esses temas. E acho que chegou a hora, também, de questioná-lo sobre distintos pontos muito obscuros de sua atuação pública que colocam em xeque sua imagem auto construída de político “honesto”.

Os jornalistas poderiam lhe perguntar, por exemplo, o seguinte:

1) Em 2008, a empresa Comunicativa-2003 Eventos, Promoções e Participações comprou uma casa na Barra da Tijuca no valor de R$ 580.000,00. A empresa reformou o imóvel e, apenas quatro meses depois, vendeu a casa para o senhor, pelo inexplicável valor de R$ 400.000,00, um deságio de 180 mil. À época, após a reforma, a prefeitura do Rio avaliava esta casa em R$ 1,06 milhão de reais.

Segundo o COFECI, as “transações imobiliárias com aparente aumento ou diminuição injustificada do valor do imóvel” e “cujo valor em contrato se mostre divergente da base de cálculo do ITBI” tem “sérios indícios da ocorrência dos crimes previstos na Lei nº 9.613, de 1998 [lei de lavagem de dinheiro]”.

Embora esse assunto tenha ido à PGR, não chegou a ser investigado.

Como o senhor, que se gaba de supostamente ser honesto, explica essa transação que, segundo as normas do COFECI, tem sérios indícios de lavagem de dinheiro?

2) Em entrevista à rádio Jovem Pan, o senhor confessou que sempre teve ciência de que o seu então partido, o PP, havia recebido propina de outro partido para que fizesse uma coligação eleitoral. Em outra entrevista à mesma emissora, o senhor também confessou que sabia que, em 1997, o governo FHC estava comprando votos para a emenda da reeleição, tendo ciência inclusive de quem seria o operador do esquema e das quantias oferecidas a cada parlamentar. Mas, mesmo sabendo de todos esses atos de corrupção, o senhor não fez nada durante vários anos – pelo contrário, foi beneficiário da propina supostamente recebida pelo PP, uma vez que este partido financiou a campanha do senhor.

O art. 319 do Código Penal define esse tipo de conduta como crime de prevaricação, punido inclusive com cadeia.

O senhor reconheceu sem querer ou ainda não admite ter cometifo um crime?

3) Recentemente, foi noticiado que o senhor, mesmo sendo dono de um imóvel em Brasília desde 1998, recebeu auxílio moradia por anos a fio. Em diversas declarações à imprensa, o senhor confessou usar esse auxílio para outras finalidades.

Contudo, conforme normas da Câmara dos Deputados, o auxílio-moradia é verba de natureza vinculada, ou seja, não pode ser usada para outra coisa senão o pagamento de aluguel ou estadia em hotéis, sob pena de se caracterizar enriquecimento ilícito e improbidade administrativa.

Tendo em vista que o senhor diz combater a corrupção, pretende devolver os quase 700 mil reais que recebeu indevidamente ou vai fingir que nada aconteceu?

4) Frequentemente, inclusive em um processo judicial, o senhor tem citado como fiadores de sua moral ninguém mais, ninguém menos que Fernandinho Beira-Mar e Alberto Youssef. Um, condenado por homicídios e tráfico internacional de drogas; o outro, condenado por corrupção, associação criminosa e lavagem de dinheiro. Não é estranho que essas sejam as principais testemunhas de sua honra?

5) Verificando documentos oficiais da Câmara, é possível constatar que, além de ter três filhos ocupando cargos eletivos, o senhor já empregou, em outros cargos públicos onde tinha ingerência, diversos parentes próximos: duas esposas, filho, sogro, cunhada… Aliás, mesmo depois do STF decidir que a prática de nepotismo era violadora da Constituição, o senhor manteve sua atual esposa no cargo por algum tempo. O senhor não acha que despreza demais a moralidade pública em benefício próprio ou de membros da sua família?

6) Recentemente, o senhor afirmou que pratica garimpo de ouro manual com bateia. Contudo, seu nome não está registrado no órgão responsável por autorizar esse tipo de exploração (DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral). Em tese, mais uma vez, o senhor teria cometido crimes de usurpação e contra o meio-ambiente. O senhor confessa um crime dessa natureza porque confia na impunidade?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal