.

O Ministério das Relações Exteriores elaborou e publicou recentemente o “Guia consular do torcedor brasileiro”, destinado aos turistas brasileiros que irão ou já estão na Rússia para acompanhar o mundial de futebol. O documento, elaborado pela área consular do ministério em parceria com o Ministério do Esporte e a Embaixada do Brasil em Moscou com o objetivo de preparar e informar os turistas brasileiros sobre as legislações e costumes locais, chamou a atenção nos últimos dias por trazer uma página sobre a lei homofóbica que vigora na Rússia – que prevê multas e até a detenção de estrangeiros -, acompanhado de recomendações para que a comunidade LGBT evite “demonstrações homoafetivas em ambientes públicos” e manifestações públicas sobre “temas políticos, ideológicos, sociais e de orientação sexual”.

Acredito que o Itamaraty e todos os técnicos envolvidos na elaboração do material tiveram boa intenção e, sobretudo, motivos para fazer esse alerta aos turistas brasileiros. É necessário informar as pessoas porque muitas delas desconhecem a existência de leis discriminatórias em outros países, em especial a Rússia neste momento, e podem ver um momento de festa e celebração se tornar um pesadelo e trauma pessoal em suas vidas, longe do seu país de origem.

Esse trabalho de divulgação sobre a restrição de liberdades individuais no país que está sediando a Copa do Mundo é importante e eu saúdo esta iniciativa. Porém, me causou espécie o fato de a lei homofóbica ser apresentada às pessoas sem estar acompanhada de um parecer crítico no documento do guia. É, ou deveria ser, função do Ministério das Relações Exteriores estabelecer alguma crítica e se somar à pressão internacional que está aproveitando que os olhos do mundo estão voltados para a Rússia e está denunciando, questionando e pedindo a revogação dessas leis que violam os direitos humanos de uma parcela da população.

A quem não sabe, hoje, na Rússia, qualquer marcha, pôster, parada LGBT, revista, livro, filme ou informativo sobre a homossexualidade, bissexualidade ou transgêneros pode ser enquadrado como ato criminal, assim como qualquer pessoa que se identificar publicamente como sendo LGBT. Em junho de 2013, o presidente Vladimir Putin promulgou uma lei que proíbe “propaganda da homossexualidade” (sic) e que é um atentado à liberdade individual e, antes, uma estupidez, já que um movimento político internacional que luta pela garantia de direitos, igualdade e respeito para a população LGBT não pode ser chamado de “propaganda”.

Essa homofobia institucionalizada pelo governo russo respalda a ação de grupos de ódio no país que, com impunidade, atacam pessoas LGBTs, submetendo-as à humilhações e violências físicas que são filmadas e disponibilizadas virtualmente. Ativistas LGBT que se manifestavam nas ruas da capital, Moscou, e em outras cidades do país antes da aprovação da lei já eram vítimas de ataques em praças públicas e de detenções policiais arbitrárias, mas a violência e repressão aumentaram com a atual legislação. Veio daí a preocupação e recomendação do Itamaraty.

É lastimável que o Estado brasileiro tenha que pedir aos seus cidadãos LGBTs que mudem seus comportamentos, voltem para um armário temporário e legitimem as leis discriminatórias de outro país. As pessoas têm que ser livres para serem como são e não devem ter seus direitos violados por isso. Quem tem que mudar o comportamento é o Estado-nação que se propõe a sediar um evento esportivo mundial que mobiliza pessoas de todas as partes do mundo.

.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle