E Marielle segue assim. Sendo energia. Luz. Esperança. Resistência.

Ato por justiça para Marielle em Brasília. Foto: Mídia NINJA

No Carnaval de 2019, lá estava ela, uma das principais estrelas daquele show de protesto e arte, misturados numa energia vibrante, de cores, música, canto. O sambódromo viu lágrimas e a Estação Primeira de Mangueira ecoar pelo mundo a fora a angústia de milhões de brasileiros. Quem matou Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes? Quem mandou matar a vereadora?

A campeã do Carnaval carioca refletiu no céu carioca não só questionamento, mas a luz dessa liderança política negra, feminista, LGBT, vibrante, de um sorrisão marcante.

Um ano.

É difícil de acreditar, às vezes, que tudo isso tenha ocorrido.

Saber do assassinato de Marielle naquela noite foi como um soco no estômago. Um soco em toda as lideranças, militantes, amigos, familiares… Em toda a Esquerda. Ficamos devastados, fomos levados ao extremo de nossas lutas e emoções. Diariamente. Chamados a cobrar, durante todos esses meses, respostas.

Os vínculos, como se vê, vão aparecendo. A cada hora aparece algo mais, como uma grande linha invisível de uma trama cruel, baixa, impiedosa.

Os nomes políticos entrelaçados nesse emaranhado pipocam pelos noticiários, mostrando que há muito ainda a se investigar. E é fundamental que eles, de fato, apareçam. Não é possível que, por meio de um crime político, neste Estado Democrático de Direito combalido e violado, uma mulher detentora de um mandato parlamentar e representativa seja retirada sem que essa resposta por completo seja dada.

Apesar das angústias, Marielle se transformou em luz de todos e todas nós diante da escuridão que tomava o país (que tomou o país). Virou esperança em meio ao caos, às incertezas e a falta de esperança. Semeou e floresceu! Mal sabem eles que são tantas Marielles Brasil a fora hoje… mal sabem eles que Marielle jamais será esquecida, apagada, difamada, seja em manifestações fascistas ou no Parlamento — isso jamais aceitaremos.

Ela agora está nos estudantes que tomam as ruas contra os retrocessos na educação, nas meninas e mulheres que se erguem contra o patriarcado, o machismo e a violência de gênero, em todos os cantos e setores da sociedade.

Um abraço apertado meu para sua mãe, Marinete, uma mulher que não tenho palavras para caracterizar sua força durante todos esses meses nos atos, reuniões, protestos e cobranças públicas. De uma mãe para outra mãe, meu carinho. Também para Anielle, Luyara e Mônica. Para Ágatha Reis, viúva de Anderson e toda a sua família. Sigam fortes, garotas! Sigam fortes!

Ainda é difícil chegar aos 365 dias sem saber os mandantes. Apesar de tudo! Renova-se aqui nossa esperança de que o crime POR COMPLETO seja elucidado.

E Marielle segue assim.

Sendo energia. Luz. Esperança. Resistência.

Uma ideia jamais a ser encerrada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle