Foto: Daniel Marenco

Governantes simbolizam seus governados numa democracia. E o Brasil quando se olha no espelho de 2019 deve estranhar a face ultrajante que surge do outro lado num sorriso cínico e desconexo com a realidade social do país. Com um presidente de ideias xucras, o Brasil assiste, dia sim e outro também, nefastas exposições de preconceito, violência e censura contra a liberdade de pensar, criar, pesquisar, expor, viver, conviver do próprio povo vindas do mandatário do Executivo. E, desta vez, contra desaparecidos políticos.

Ao afirmar em tom jocoso durante entrevista saber o que houve com o ex-militante da Ação Popular Fernando Santa Cruz, pai do atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, Bolsonaro feriu mais uma vez centenas de famílias que ainda sofrem a perda de seus entes pela Ditadura. É como se tivesse penetrado ferro em brasa numa ferida ainda aberta. Atacou de forma vil brasileiros e brasileiras que foram torturados, tiveram suas vidas destroçadas ou sumiram do calor dos braços de seus pais e mães, filhos, irmãos, companheiros e companheiras.

Bolsonaro, mais uma vez, cruel e desumano.

Já havia demonstrado o quanto é baixo o suficiente para tal quando homenageou o criminoso Carlos Alberto Brilhante Ustra durante a votação na Câmara dos Deputados onde votou a favor do golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, em 2016. Vimos que ali morava um ódio inconsequente, incontrolável. Nunca foi por falta de avisos.

Se Bolsonaro sabe tão bem o que houve com Fernando em 1974, quanto diz em suas declarações sem direito à réplica pela imprensa, que fale. Aproveite que Adriano Diogo, ex-presidente da Comissão da Verdade, ingressará na Procuradoria Geral da República exigindo seu depoimento e fale! Terá coragem de dizer o que sabe perante à justiça?

Pode ser que Bolsonaro apareça proferindo agressões sem medir as consequências, mas o direito à verdade é um direito fundamental inalienável, constitucional de cada cidadão, da sociedade e principalmente das famílias. Não é tolerável para nenhum democrata que ele, como presidente da República, fira a Constituição. Não precisou que chegássemos aos 6 meses de Governo para ver que o atual presidente é despreparado e inepto, e seu comportamento incompatível com a dignidade e decoro para o cargo que ocupa. Não é aceitável, além de desumano, que apedreje a memória de Fernando Santa Cruz e tantos outros e outras alojado no Palácio do Planalto.

Abra a boca diante das instituições da Republica e mostre o que os porões da Ditadura tentaram esconder por tantos anos. A lei é para todos, mesmo! O Brasil irá cobrar do presidente a verdade, a memória e a justiça. Bolsonaro tem que falar!

Jandira Feghali é líder da Minoria na Câmara dos Deputados

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?