A derrota da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal abre um novo momento para as forças do campo progressista e de esquerda deste país.

Senadores comemoram derrota da reforma trabalhista em comissão. Foto: Mídia NINJA

Ao enterrar o relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB/ES) e aprovar o relatório com parecer pela rejeição do senador Paulo Paim (PT/RS), o colegiado do Senado responde aos diversos protestos espalhados Brasil a fora contra a perda de direitos históricos e reforça o enfraquecimento óbvio de um governo sem ética e escrúpulos. Sua derrota também mostra a divisão e fragilidade da base aliada, mostrando um presidente enfraquecido também politicamente.

A proposta do Governo, como se sabe, é um escândalo. Mexe em mais de 100 artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e estabelece um novo padrão para o mercado de trabalho, onde o patrão ditará as regras. Férias, décimo-terceiro e horas extras poderão cair por terra em negociações esdrúxulas e subterrâneas – às sombras da proteção do direito do trabalho – forçando trabalhadores a perderem benefícios em troca da garantia de seu emprego.

A reforma trabalhista não passa de uma encomenda diabólica do mercado no pós-golpe para ampliar seu lucro em detrimento do esforço de milhões de brasileiros.

O combate ao desemprego não se deve dar no campo da diminuição de benefícios do empregado, mas no fortalecimento da economia e geração de oportunidades. O campo brasileiro é vasto, mas falta competência aos “cabeças de planilha” para lutar contra a crise que nosso país vive.

Temer sabe que precisa aprovar as reformas do mercado para ficar no poder, mas jaz à míngua de popularidade (apenas 3% aprovam seu governo) e rodeado de acusações com provas de crimes contra a pátria brasileira. Tenta se esquivar das denúncias do empresário Joesley Batista, mas cada vez mais se vê envolto a um passado de extrema comunhão com o dono da JBS. Como negar a reunião às 23h da noite no subterrâneo do Palácio do Jaburu ou as constantes viagens no jatinho da JBS? Aponta o dedo para aquele que sempre o serviu em conversas nada republicanas.

A derrota da reforma trabalhista é uma lufada de ar fresco neste momento.

Ainda que possa continuar tramitando no Senado, sua queda na CAS reforça a luta popular nas ruas e a greve geral indicada pelas centrais trabalhistas no próximo dia 30. Dá energia aos movimentos sociais e populares na busca de derrotar de uma vez por todas a reforma que subtrai direitos. Nos próximos dias, aeroportos serão tomados pelos trabalhadores e o Senado terá uma vigília por parte de sindicalistas.

A pressão será máxima contra Temer e seus aliados. É a nossa vez.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle