Ao investir contra a Amazônia e o meio ambiente, governo brasileiro se torna uma ameaça global

Por @luzzz.raw / Design Ativista

“Devido a minha formação militar e a minha trajetória como homem público tenho profundo amor e respeito pela Amazônia”. O pronunciamento de Bolsonaro na TV nesta sexta 23/08 parece uma redação escolar do “dia da árvore”, sem a inocência, sem o frescor das crianças no colégio. Mas o primarismo na leitura do teleprompter e no texto não escondem as gritantes contradições e o pensamento predador do presidente do Brasil. Mesmo visivelmente tenso e nervoso, tentando “moderar” seu discurso paranoico e tosco, o modelo dos “dias de fogo” foi reafirmado!

“A proteção da floresta é nosso dever. Estamos cientes disso e atuando para combater o desmatamento ilegal e quaisquer outras atividades criminosas que coloquem a nossa Amazônia em risco. ”

Além de não cumprir com o seu dever, desmontando todas as redes de proteção ao meio ambiente e mecanismos que inibiam a devastação, explicita logo adiante qual o modelo econômico (“não é incêndio, é capitalismo” dizem as redes) que rege seu governo e que está acima da vida e do meio ambiente:

“É preciso lembrar que naquela região vivem mais de 20 milhões de brasileiros que há anos aguardam um dinamismo econômico proporcional às riquezas ali existentes. (…) É preciso dar oportunidade a toda essa população para que se desenvolva junto com o restante do país. É nesse sentido que trabalham todos os órgãos do governo.”

Para além do discurso primário, de amor e respeito pela Amazônia, dados errados e a solução militarista para apagar incêndios reais e simbólicos, Bolsonaro retoma um argumento pernóstico, que foi o slogan da ditadura militar: “integrar para não entregar”.

Um anacronismo nacionalista que não tem mais eco em uma sociedade de redes globais. Eis seu programa mais nefasto: Vamos destruir a Amazônia em nome de um modelo desenvolvimentista predador que o mundo todo rejeita e combate!

A fumaça que cobriu São Paulo e transformou o dia em noite não foi estocada pelo PT, nem pelas Ongs e nem pela esquerda para ser liberada em 2019 e desmoralizar e questionar todo esse discurso anti ambientalista e que tem como base uma necropolítica.

Não existem esquerdopatas tocando fogo em florestas, foram os fazendeiros que promoveram o “dia do fogo”. O Brasil parece que virou o roteiro de “as sete pragas do Egito”. Mas as redes já disseram: “Não é o apocalipse, é o efeito colateral do teu voto”.

Não estão destruindo só o Brasil, mas o planeta! O Brasil virou o símbolo de uma distopia global. As reações, as sanções de países de todo o mundo contra o Brasil são uma resposta que penalizarão o país. Bolsonaro será derrotado pelo planeta, porque é isso: uma espécie de vírus ou doença da terra.

Esse governo não é apenas contra a Amazônia, é contra a Educação, é contra a cultura, é contra os povos indígenas, é contra as mulheres, é contra os negros, é contra a juventude das favelas, é contra o Brasil.

O Panelaço que se ouviu em todo o Brasil, inclusive em todos os bairros e cidades em que Bolsonaro teve uma grande votação, é muito significativo. Até a Terra Plana dá voltas!

Neste domingo atos em todo o Brasil vão incendiar as ruas e as redes em defesa da Amazônia. Esse sim, um fogo que tem que se alastrar! Nós também temos nossos dias de fogo para performar um incêndio contra esse governo.

Agora é o Planeta contra Bolsonaro. #Amazônia #queimadas #bolsonaro

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Lula da Silva: a democracia entre o passado e o futuro

Renata Mielli

Que manchete um jornalista daria para essa notícia?

Manuela d'Ávila

Joice, eu sou sinceramente solidária a você porque sei o que você está vivendo

Mônica Horta

Moda contemporânea e seus múltiplos caminhos

Dríade Aguiar

Liberdade para todas as pretas

Jean Wyllys

Carta a Dilma: Eu cuspi na cara dele por você, Dilma. Por nós.

André Barros

O fim do Bolsonaro

Renata Mielli

Já dizia minha mãe sobre desculpas, não dá pra atirar e pedir desculpa pro morto

Tainá de Paula

A milícia é a primeira prefeita da cidade do Rio de Janeiro

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado