.

O visto e o dito. Enquanto o Sambódromo “gritava” o samba contra a reforma trabalhista e da previdência, contra Temer e contra o golpe em momento catártico na Sapucaí contra as novas formas de escravidão e precarização do trabalho, os comentaristas da Globo em momento nenhum falavam das alegorias da Paraíso do Tuiuti e nem comentavam a evolução do enredo. Presidente vampiro, manifestantes fantoches, a CLT e a carteira de trabalho detonadas foram o não-dito da cobertura televisiva que só narrava a escravidão e seus horrores, afinal essa “acabou” historicamente, apesar do desfile justamente mostrar que não em nosso capitalismo racista e neoescravocrata. Hoje o G1 dá nome aos personagens, mas decide editorialmente que na TV e ao vivo para milhões não pode! Existe um temor de tudo que é popular e que foge da narrativa midiática. Impressiona o esvaziamento de tudo que é político e fala do presente urgente, mesmo um samba enredo e alegorias de Carnaval! E já estão dizendo que o MBL vai lançar o movimento “Escola de Samba Sem Partido” para coibir essas escolas de samba esquerdopatas!

P.S. E antes que alguém me pergunte o que isso muda no processo político, eu não sei, só sei que a “anestesia está passando” e a catarse faz parte desse processo de purgação do estado de perturbação psíquica coletiva e da nuvem tóxica em que ainda estamos. Além disso, fato é que a narrativa redentora do impeachment não sobreviveu nem a um carnaval! Evoé!

P.S 2. E nesta segunda 12/2, diante da repercussão geral do desfile, o Jornal Nacional teve que noticiar as críticas políticas a Temer e citar os manifantoches, A narrativa do impeachment vai derretendo.

#ParaísodoTuiuti #tuiuti #vampirão #Carnaval

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Aos que votavam em Bolsonaro por "honestidade", podem arrumar outro motivo ou voto

Renata Mielli

Podem ter roubado seus dados do Facebook para alterar o resultado da eleição

Gabinetona

Economia pelo bem viver

Caetano Veloso

Caetano Veloso responde a Olavo de Carvalho

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Ivana Bentes

Delírio de onipotência: A carta de Bolsonaro ao povo brasileiro é um obituário para a democracia

Movimento dos Pequenos Agricultores

Soberania Alimentar e o que está em jogo nesta corrida presidencial

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: As Democracias também morrem democraticamente

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Operação Lava-Zap

Tulio Ribeiro

Milagro Sala: Os mil dias de uma prisão injusta

Tulio Ribeiro

O genocídio palestino

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Legado dos governos petistas foi mais importante na educação

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes