O masculinismo e a virilidade podem sim ser apropriados e transformados pelas mulheres! Lendo e relendo em looping: Teoria King Kong, de Virginie Despentes, o manifesto mais ácido para um outro feminismo que chuta uma quantidade extraordinária de baldes e lugares comuns sobre as mulheres e reivindica para si as vantagens inerentes a masculinidade e a virilidade Leiam! O que nos diz Virginie é que temos:

O direito de ser desagradáveis. “O exercício direto do poder é aquele que nos permite chegar a qualquer lugar sem ter que sorrir para três fulanos quaisquer, esperando que nos contratem para tal posto ou que nos confiem alguma coisa. O poder que permite ser desagradável, exigir ir direto ao ponto. E esse poder não é mais vulgar se exercido por uma mulher do que por um homem. Espera-se que renunciemos a esse tipo de prazer em função do nosso sexo.”

O direito de comercializar e negociar nossos “encantos”. “O pacto da prostituição, “eu te pago você me satisfaz” é a base de toda relação heterossexual. Fingir que esse pacto é estranho a nossa cultura é uma hipocrisia. Muito pelo contrário essa relação é um contrato saudável e claro entre sexos. não precisa nem complicá-lo e nem culpabilizá-lo.”

O desafio de abandonar a “arte do servilismo” que diz que as mulheres não devem falar alto; não devem se expressar em tons categóricos; não devem sentar com as pernas abertas se for mais cômodo; não devem se expressar num tom autoritário; não devem falar de dinheiro; não devem conquistar poder; não devem ocupar um posto de autoridade; não procurar prestígio; não rir muito alto; não ser muito engraçada.” A lista de Nãos é infinita!

Enfim, as mulheres podem e devem se apropriar do masculinismo e da virilidade e que os estereótipos e caricaturas que proíbem e interditam essa operação são sim estratégias de dominação e assujeitamento. Não sejamos “compreensivas” com todxs os que diminuem nossas potências. Nem aceitar que nos elogiem pelo nosso servilismo (as mulheres sempre na base dos holofotes masculinos).

Pulei a parte da maternidade abnegada, mas a visão de Virginie Despentes é demolidora, e diz que se os homens parissem já tinham inventado algo equivalente a Ikea ou a Macintosh para cuidar de crianças e resolver a vida doméstica. : ) Também pulei a parte da vida punk, do estupro, dos sofrimentos, leiam o livro!

P.S. E mesmo que você não concorde, leia, porque novos pactos estão sendo fabulados e parece mesmo que são as mulheres que estão produzindo as melhores reflexões, inclusive sobre os homens e sobre a masculinidade.

P.S.2. Frase lapidar: “É ao mesmo tempo surpreendente e antiquado que um dominador venha choramingar que o dominado não faz direito a sua parte” (VD).

#feminismos

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?