Damares Alves, a ministra de Direitos Humanos.

Alguém tem que explicar para a Ministra da Disney que no Brasil são os príncipes que matam as princesas! Os príncipes, os namorados, o marido, o pai, o padrasto, o crush, o ficante, o amante, o guru, o ídolo, o padre, o professor, o médico. Na linha da estupidez que dizia que “as cotas produzem racismo” a Ministra Damares criticou as “ideologias” que defendem a igualdade entre gêneros, pois isso, segundo ela, incentivaria a violência contra a mulher.

“Os meninos vão ter que entender que as meninas são iguais em direitos e oportunidades, mas são diferentes por serem mulheres. E precisam ser amadas e respeitadas como mulheres. Enquanto os nossos meninos acharem que menino é igual a menina – como se pregou no passado, algumas ideologias – já que é igual, ela aguenta apanhar”, disse em vídeo divulgado pelo portal G1.

A violência contra as mulheres vem dos mais próximos e desse raciocínio infantilizante da Ministra! A autonomia e independência emocional, econômica, sexual, das mulheres é uma questão vital para sua sobrevivência e felicidade. A narrativa do amor romântico produz mais violência e assujeitamento! Se produz dependência não é amor é cilada, já diz a música.

Não pára ai! ” A ministra também deu exemplos do que o governo federal pretende ensinar nas escolas. “Nós vamos dizer para eles que elas são iguais em oportunidades e direitos, mas diferentes fisicamente e precisam ser amadas. Nós vamos ensinar os nossos meninos nas escolas a levar flores para as meninas, por que não? A abrir a porta do carro para a mulher, por que não? A se reverenciar para a mulher, por que não?”, disse.

Por que não devolver a Damares para o século XIX? Lá ela pode implementar essa política revolucionária: homens levam flores e abrem a porta do carro ou das carruagens para as mulheres!

As mulheres preferem sua parte em melhores salários, espaços de poder e decisão, representação, e não nesse romantismo bolorento e ultrapassado da Tia que oferece “abstrações” e clichês.

#8m

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império