Damares Alves, a ministra de Direitos Humanos.

Alguém tem que explicar para a Ministra da Disney que no Brasil são os príncipes que matam as princesas! Os príncipes, os namorados, o marido, o pai, o padrasto, o crush, o ficante, o amante, o guru, o ídolo, o padre, o professor, o médico. Na linha da estupidez que dizia que “as cotas produzem racismo” a Ministra Damares criticou as “ideologias” que defendem a igualdade entre gêneros, pois isso, segundo ela, incentivaria a violência contra a mulher.

“Os meninos vão ter que entender que as meninas são iguais em direitos e oportunidades, mas são diferentes por serem mulheres. E precisam ser amadas e respeitadas como mulheres. Enquanto os nossos meninos acharem que menino é igual a menina – como se pregou no passado, algumas ideologias – já que é igual, ela aguenta apanhar”, disse em vídeo divulgado pelo portal G1.

A violência contra as mulheres vem dos mais próximos e desse raciocínio infantilizante da Ministra! A autonomia e independência emocional, econômica, sexual, das mulheres é uma questão vital para sua sobrevivência e felicidade. A narrativa do amor romântico produz mais violência e assujeitamento! Se produz dependência não é amor é cilada, já diz a música.

Não pára ai! ” A ministra também deu exemplos do que o governo federal pretende ensinar nas escolas. “Nós vamos dizer para eles que elas são iguais em oportunidades e direitos, mas diferentes fisicamente e precisam ser amadas. Nós vamos ensinar os nossos meninos nas escolas a levar flores para as meninas, por que não? A abrir a porta do carro para a mulher, por que não? A se reverenciar para a mulher, por que não?”, disse.

Por que não devolver a Damares para o século XIX? Lá ela pode implementar essa política revolucionária: homens levam flores e abrem a porta do carro ou das carruagens para as mulheres!

As mulheres preferem sua parte em melhores salários, espaços de poder e decisão, representação, e não nesse romantismo bolorento e ultrapassado da Tia que oferece “abstrações” e clichês.

#8m

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle