.

Que tragédia! A história do Brasil queimando! 20 milhões de peças e documentos destruídos! Museu Nacional da UFRJ queimando inteiro, séculos de arqueologia, peças, esqueletos, cultura indígena, fauna, flora, tudo! Camadas de tempo e de história e conhecimento. 200 anos de documentos, toda a história do império queimado, paleontologia, antropologia do Brasil. Prédios históricos, tombados, muitos deles dentro dos quais damos aula, pesquisamos, orientamos. Essa precariedade não é descaso da UFRJ, não existe política pública para manter e conservar nosso patrimônio.É o mesmo descaso com o patrimônio, a pesquisa, a ciência e tudo que é PUBLICO. O Museu sobrevive com o mínimo de recursos do Estado. O público fazia vaquinha para ajudar na manutenção! São incêndios e tragédias que não são ainda mais frequentes nem sabemos porquê. Na adversidade vivemos e as universidades fazem muito e muitíssimo com muito pouco. Damos aulas em palácios, castelos, museus, hospícios históricos. O MAM queimou, o acervo de Helio Oiticica queimou, a Cinemaca Brasileira pegou fogo, o Museu da Língua Portuguesa queimou! É muita falta de amor ao Brasil e sua cultura exuberante. Às vezes as metáforas se tornam literais . Um Brasil que está dando as costas para sua história e para seu futuro, queimando tudo o que prezamos! Imagem não de um acidente, mas da barbárie! É essa a política que está destruindo o país: Estado mínimo, plataformas privatizantes, odiadores da cultura, politicas de desinvestimento no comum!

P.S.E não venham dizer que a culpa é da UFRJ! Patrimônio público precisa de recurso e investimento público. Se o Museu não fechou antes foi graças aos pesquisadores, público e comunidade acadêmica !!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Monique Prada

Monique Prada: Pode a puta de luxo falar?

Renata Mielli

Fake News: A apologia da verdade como instrumento de censura

Ivana Bentes

Museu Nacional: Não é acidente, é barbárie!

Lindbergh Farias

Lindbergh Farias: Globo não me representa

Israel do Vale

Israel Do Vale: O que será da Folha nas mãos do irmão que sempre cuidou da área comercial?

Laio Rocha

Como frear o encarceramento em massa no Brasil e nos EUA?

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como estímulo para o progresso da comunidade

Ericka Gavinho

Ericka Gavinho: Em que sociedade nos transformamos?

Renata Mielli

Caso Bolsonaro: vamos conversar sobre fascismo e ódio?

Gabinetona

Plano diretor e a luta pela gestão democrática das cidades

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século

Tulio Ribeiro

A dolarização e o neocolonialismo

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro