Foto: Leandro Taques

Depois de ter proposto educação a distância para crianças, a proposta de Bolsonaro é que o ministério da educação perca a gestão do ensino superior para o Ministério da Ciência e Tecnologia. Ou seja, todo o ensino universitário e o campo das ciências humanas, artes, letras, etc. gerido por um Tenente-Coronel ASTRONAUTA, Marcos Pontes, engenheiro formado no ITA. Na prática é o início do fim do MEC.

Na área educacional, o Ministério da Educação deve perder a responsabilidade pelo ensino superior, que seria transferido para o Ministério de Ciência e Tecnologia.

O primeiro e único brasileiro a ter voado para o espaço pode desmontar e mandar para o espaço um dos maiores e mais estratégicos Ministérios do Brasil: o MEC.

A educação pública no Brasil e o campo cultural são os dois maiores campos visados pelo ódio e desmonte (vide Temer) porque disputam as ideias, a visão de mundo, quebram dogmas e produzem resistência de forma imediata e a longo prazo. Mas são campos resilientes, capazes de fazer muito com pouco.

Os campi universitários estão fincados sobre o que temos de mais sólido para resistir: pensamento, juventude, autonomia, liberdade e coragem. Serão erros e decisões exdrúxulas uma após a outra. Veremos como um governo se manterá assim!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal