.

Em vídeo gravado para os manifestantes na Av. Paulista, neste domingo, 21 de outubro, a uma semana das eleições presidenciais, Bolsonaro ameaça parlamentares, ativistas, partidos, ongs, movimentos sociais e a mídia. Os nomeia como seus inimigos e diz como irá persegui-los com prisão, exílio e os rigores da lei e do Estado aparelhados. O Estado será usado como extensão de um delírio de onipotência sem limites e sem qualquer sentido republicano.

Ameaças aos seus rivais políticos, regressão vingativa e nenhum sentido de institucionalidade. Essa é a marca de Jair Bolsonaro, o antiestadista, que ameaça, as vésperas da eleição, em seu discurso nauseante, destruir todo o sistema e a ecologia política utilizando um discurso fascista, atravessado de metáforas de extermínio e das guerras: como a “limpeza”, varrer do mapa, expulsar do Brasil os “vagabundos”. As “raças” a serem extintas são os “vermelhos”, os movimentos sociais, os defensores dos direitos em todos os campos.

Para a imprensa “vendida” dá os seus pêsames! A parlamentares rivais e ao candidato a presidência Fernando Haddad ameaça com prisão e um “vão apodrecer na cadeia” em um discurso fora de qualquer institucionalidade em que linchamentos políticos sumários antecipam qualquer justiça.

“Será uma limpeza nunca vista na história do Brasil. Vamos varrer do mapa esses bandidos vermelhos”, diz Bolsonaro sem qualquer constrangimento.

O discurso de Bolsonaro gravado em vídeo para a multidão já como um discurso de vencedor das eleições de 2018 não tem mais qualquer mediação ou moderação é feito para alimentar uma plateia de cidadãos zumbis que urram com as fantasias mais brutais da política tornada regressão vingativa contra os “inimigos” e um antipetismo alucinatório que alimenta a violência real e simbólica nas redes e nas ruas.

O pronunciamento fere toda noção de institucionalidade, presunção de inocência, justiça, decoro parlamentar e aposta nos discursos de ódio e na pulsão de morte.

É contra esse ódio alucinatório que lutamos! Pois cada afirmação celebra a própria morte e fracasso da democracia.

A verdade de Bolsonaro é obscena e está escancarada para quem quiser ouvir:

Frases de Bolsonaro em seu vídeo para os manifestantes na Paulista:

“Vocês verão uma polícia militar e civil com retaguarda jurídica para fazer valer a lei do lobo de vocês. Bandido do MTST, bandido do MTST, as ações de vocês serão tipificadas como terrorismo, vocês não levarão mais o terror ao campo ou a cidade. Ou vocês se enquadram e se submetem as leis ou vão fazer companhia ao cachaceiro lá em Curitiba”

“Essa turma, se quiser ficar aqui, vai ter que se colocar sob a lei de todos nós. Ou vão para fora ou vão para a cadeia”

“A Folha de São Paulo é a maior fake news do Brasil Vocês não terão mais verba publicitária do governo. Imprensa livre parabéns, imprensa vendida meus pêsames!”

“Seu Lula da Silva se você estava esperando o Haddad ser presidente você vai apodrecer na cadeia. Brevemente terá Lindbergh Farias pra jogar dominó no xadrez. Aguarde, o Haddad chegará aí também. Mas não será para visitá-lo não, será para ficar alguns anos ao seu lado. Já que vocês se amam tanto, vocês vão apodrecer na cadeia. Porque lugar de bandido que rouba o povo é atrás das grades.”

“Petralhada, vai tudo vocês para ponta da praia. Vocês não terão mais vez na nossa pátria, pois nós vamos cortar todas as mordomias. Não terão mais ONGs para saciar a fome de mortadela de vocês. Será uma limpeza nunca vista na história do Brasil.”

“Vagabundo vai ter que trabalhar. Vai deixar de fazer demagogia junto ao povo brasileiro.”

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle