.

Bem na sua cara! A Classe Média no poder! Interrompendo minhas férias para comentar essa foto sensacional a partir das observações do Ricardo Sardenberg. Isso é que é choque cultural! O que temos aqui? Uma foto típica dos grupos no poder, o Presidente da República ladeado por aliados na Biblioteca do Palácio da Alvorada. E no centro da foto, entronizado, o Presidente de chinelo Rider, calça de moletom, camiseta e um paletó improvisado e mal ajambrado jogado por cima de tudo. Bolsonaro está “em casa” de chinelo recebendo as visitas.

Qual o problema? Quando Lula chegou ao poder também produziu um escândalo: por carregar isoporzinho nas férias, por sua afetividade e fala desengessada e improvisada, pela quebra dos protocolos em muitas ocasiões formais. E claro por políticas públicas para os pobres, as mulheres, os negros, as minorias, mesmo com todas as suas limitações.

E hoje temos sim um segundo choque cultural, dos novos ocupantes do Planalto. Mas o contexto e injunções dessa “revolução conservadora” são outras.

A figura de Bolsonaro que provoca identificação com tantos eleitores é a desse mal ajambrado, improvisado que “afronta” o sistema e que expressa literalmente um governo de improviso, feito por “não-políticos”. O anti-sistêmico de Bolsonaro é um sistema de extrema-direita e conservador, mas com a cara do tiozão do churrasco que torna tudo risível ou “palatável”. O homem “sem qualidades” é a nova “qualidade”.

Bolsonaro comanda uma equipe de improviso, vindo de um partido de aluguel como o PSL, que aluga legenda, e cujos escândalos começam a explodir com uma corrupção gotejante e sistemática, perto, muito perto das corrupções concretas e reais do cidadão de bem: para “ajudar” a familia, os primos, os amigos.

Um governo cujos desentendimentos são de um grupo formado às pressas para ocupar o poder, misturando a presidência da República e o Estado com o humor e comando dos filhos do presidente e seus estilo de vida boçal e violento, agressivos nas redes, o parlamentar-playboy-filhinho de papai com costas quentes, falando sem consequência. Toda essa informalidade que se alia aos poderes fáticos e pára-militares.

A “informalidade” da milícia, dos amigos dos amigos nos gabinetes, do espetáculo de improvisos em um chat de condomínio, que se tornou o país. Toda uma corrupção apresentada como “mal menor’ diante dos “profissionais” da política. Daí criminalizar tudo que é organizado: partidos, movimentos, todas as conquistas coletivas.

Triunfo do indivíduo e sua network e rede em um capitalismo e governo mafioso: a família, o clã, acima de tudo.

O problema não são os hábitos culturais populares da família Bozo, mas esse ethos classe média e moralista dos almoços de domingo e da família conservadora tornados políticas públicas e políticas de perseguição e ódio as diferenças.

E muito bem notado por Ricardo Sardenberg sobre o distinto grupo, a tapeçaria monumental com as mulheres de Di Cavalcanti sinuosas e libidinosas, a música, a arte, as pernas escancaradas de uma mulher (se automassageando?) e prestes a soltar um gozo na cara dos moralistas.

É a tapeçaria Músicos de Di Cavalcanti na parede da biblioteca do Palácio da Alvorada pairando na foto.

Para um governo que acha que cultura e arte “não são importantes”, o modernismo brasileiro de Di, com sua liberdade e vitalidade, dá uma resposta, mesmo que simbólica: a arte e a cultura vão jogar e jorrar na cara da extrema-direita e dos conservadores emergentes, de forma pedagógica, explicando o que é uma vida não fascista! #governos#Cultura #arte

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império