Pelo Estudante NINJA Vinicius Melo, Instituto Federal da Bahia

Negação de um regime militar ditatorial ocorrido no Brasil e disseminação de um fantasma comunista, são apenas alguns dos elementos que indicam um viés antidemocrático e corrosivo dos discursos que nessas últimas eleições ganharam voz em segmentos mais conservadores, outrossim, cada vez mais tivemos representatividade das pautas feminista, LGBT, indígena e antirracista nos meios de comunicação, nas ruas e até mesmo no congresso. À medida que ambos os lados foram lutando por espaço em discussões, os discursos foram tendendo a uma radicalização e acabamos alimentando a polarização política.
Nesse ponto, é importante sabermos que o radicalismo (em pequenas quantidades) faz parte de todo movimento social e se faz necessário principalmente para quem sofre todos os dias com o preconceito, seja por sua cor, gênero, classe ou etnia. De fato, não nos sobra muito espaço para a tolerância quando estamos saturados da sociedade nos tratar com discursos de ódio e preconceitos camuflados de piadas. Mas temos que ser ainda mais fortes e não deixar cultivar o extremismo, abusando do radicalismo e deixando crescer a arrogância, dando espaço para a opressão.
O problema da polarização é que ela cria uma barreira metafísica entre as pessoas de diferentes polos. Passamos a nos reconhecer em sociedades distintas e essa falta de congruência, quando em excesso, é nociva a qualquer regime democrático.

#15M Porto Alegre/RS | Foto: Thales Ferreira/Mídia NINJA

Conforme as lutas vão se acirrando, produzimos mais diferenças e à proporção que geramos essas diferenças, produzimos a desigualdade. A disputa de poder entra em outro nível, grupos que antes pertenciam a uma mesma sociedade passam a lutar para que o estado reconheça a sua parcela como a legítima.
Ao assumir o poder, Bolsonaro e a sua cúpula hoje lutam para que a educação atenda às suas ideologias, reforçando teorias conspiratórias do guru de direita Olavo de Carvalho.

Não por acaso, o Ministério da Educação se encontra no mais caótico estado. Ao conseguirem o controle das políticas para a educação, os integrantes do movimento conservador se empoderam das suas crenças e conseguem a oportunidade de disseminar com o caráter legitimador do Estado, suas crenças antidemocráticas.
Quando não existe congruência entre políticos de lados opostos a nossa democracia entra em risco, passando a se enxergar como inimigos, deixam de aceitar o direito de existência de uma oposição ideológica e é neste cenário que regimes autoritários ganham força.
Não se enganem, a polarização é como um vírus que adoece a nossa democracia. Pouco a pouco adentra o cotidiano das pessoas e se torna socialmente aceita entre as bolhas sociais por nós vivenciadas. Precisamos encontrar uma harmonia entre as prioridades de cada grupo e superar as nossas diferenças, para o bem da nossa democracia.
Não podemos esquecer do papel fundamental que a educação tem nesse processo. Em consonância com o que Paulo Freire certa vez disse, “Quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser opressor”.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal