Em meio a casos de homofobia na rede social, Grindr, voltada para o encontro de homens gays, divulgou lista e medidas de segurança para usuários.

A rede geosocial Grindr, voltada para o encontro da população LGBT, especificamente homens gays, emitiu um alerta de segurança aos usuários do aplicativo no Brasil, em vista da alarmante quantidade de denúncias sobre ataques homofóbicos registrados depois do resultado do primeiro turno das eleições. Em alguns dos casos assinalados desde o último domingo (08), os agressores atraíram suas vítimas por meio da própria plataforma.

No pop-up direcionado às pessoas cadastradas, o Grindr reconhece o aumento da violência contra LGBTs brasileiros devido às eleições e pede para que os usuários tomem “as medidas necessárias para se manterem seguros essa semana”.

As dicas de segurança são de proteção de identidade, ou seja, cuidados para não dar seus dados para estranhos, senso crítico com fotografias, cautela no compartilhamento do seu endereço, evitar mentiras, procurar contar para amigos quando sair com alguém, e denuncias de casos de violência ou agressões físicas e mentais.

Confira as dicas divulgadas pelo Grindr.

O aplicativo é um um dos mais populares entre os gays de todo o mundo e utiliza a geolocalização para facilitar encontros de pessoas a curta e média distância, à semelhança do Tinder. Além das medidas, o aplicativo também sinalizou sua campanha e acolhimento aos usuários com um banner contra os discursos de ódio.

Berlin, Germany – February 26: In this photo illustration the app of Grindr is displayed on a smartphone on February 26, 2018 in Berlin, Germany. (Photo Illustration by Thomas Trutschel/Photothek via Getty Images)

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

HIV, prevenção, cura e políticas públicas: uma jornada a ser trilhada

Daniel Zen

Pequenos movimentos sociais de novo tipo

Anielle Franco

Anielle Franco: A luta continua

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Suas ideias continuarão vivas

Dríade Aguiar

Mamãe da Putaria

Gabinetona

Uma carta para Marielle

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Quem mandou matar Marielle Franco?

Renata Mielli

Renata Mieli: A morte de Marielle Franco, o discurso de ódio e a desinformação

Maria do Rosário

Maria do Rosário: Quem mandou matar Marielle Franco?

Daniel Zen

A Reforma da Previdência de Bolsonaro

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle

Raull Santiago

Raull Santiago: Um ano

Joana Mortagua

Joana Mortágua: O país que Marielle voltará a pisar

Daniel Zen

Daniel Zen: Julgamento honesto e eficaz para Marielle

Liana Cirne Lins

Discutir porte de armas em meio à tragédia não é palanque; é responsabilidade