Foto: Reprodução web

Como parte da geração que foi criada pela TV em uma cidade distante do eixo, vejo no desfile das escolas de samba uma tradição e uma paixão, o meu futebol, a apuração o meu Super Bowl. Por isso, peço licença a minha Imperatriz de Ramos para falar de outra escola hoje.

Paraíso do Tuiuti acaba de ser consagrada vice-campeã do Carnaval do Rio de Janeiro. Altamente celebrada desde seu desfile no último domingo, o recado mais retumbante da maior festa popular do mundo desse ano veio da Sapucaí e não dos blocos de rua.

E fica o paralelo entre os domingos: em 2016, após apresentar Formation na final do NFL, os Estados Unidos descobriram que a Beyoncé era negra. Em 2018, após atravessar a avenida, parte do Brasil pareceu descobrir que o Carnaval é um ato político.

E é preciso que não fique dúvida – foi um desfile sobre a escravidão, sobre o preconceito racial. Foram 400 anos de trabalho escravo no Brasil e 130 anos da Lei Áurea. Temas que, claro, tem tudo a ver com as reformas criticadas na avenida, com a ironia dos manifestantes fantoches e com o Temer Vampirão. Se a CLT é um problema de todos hoje, os negros dos nosso país nunca nem viram o que é um trabalho regularizado.

Como editora da Mídia NINJA, não sei colocar em palavras a dor que sentia a cada vez que entrava na página e via o post fixado com a foto de um rapaz negro com a Máscara de Flandres, uma cena tão antiquada quando torturosamente atual. Esse post chegou a mais de 130 mil compartilhamentos, mais de 15 milhões de pessoas alcançadas – o alcance de quem fura a bolha ao focar sua linguagem para mais de 50% dos brasileiros, a população negra.

Alegorias, fantasias, décimos e quesitos à parte, a agremiação de São Cristóvão, o quilombo da favela, termina aclamada como Campeã do Povo.

Estamos encerrando esse ciclo carnavalesco com a alma lavada nessa quarta-feira de cinzas, comemorando esta noite para acordar amanhã e seguir lutando contra o trabalho precário, o genocídio, a falta de acesso a saúde e educação, a solidão e tantos outros resquícios escravocratas no Brasil.

É um alento para aqueles que sabem que nenhuma revolução será feita se não partir de uma ótica antirracista, levando em consideração principalmente as mulheres negras. E, se não bastasse, conseguimos que o discurso chegasse a milhões de lares pelo veículo mais inusitado/golpista – a Globo.

Não somos escravos de senhor nenhum e nos vemos no sábado, Campeã.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império