Foto: Reprodução web

Como parte da geração que foi criada pela TV em uma cidade distante do eixo, vejo no desfile das escolas de samba uma tradição e uma paixão, o meu futebol, a apuração o meu Super Bowl. Por isso, peço licença a minha Imperatriz de Ramos para falar de outra escola hoje.

Paraíso do Tuiuti acaba de ser consagrada vice-campeã do Carnaval do Rio de Janeiro. Altamente celebrada desde seu desfile no último domingo, o recado mais retumbante da maior festa popular do mundo desse ano veio da Sapucaí e não dos blocos de rua.

E fica o paralelo entre os domingos: em 2016, após apresentar Formation na final do NFL, os Estados Unidos descobriram que a Beyoncé era negra. Em 2018, após atravessar a avenida, parte do Brasil pareceu descobrir que o Carnaval é um ato político.

E é preciso que não fique dúvida – foi um desfile sobre a escravidão, sobre o preconceito racial. Foram 400 anos de trabalho escravo no Brasil e 130 anos da Lei Áurea. Temas que, claro, tem tudo a ver com as reformas criticadas na avenida, com a ironia dos manifestantes fantoches e com o Temer Vampirão. Se a CLT é um problema de todos hoje, os negros dos nosso país nunca nem viram o que é um trabalho regularizado.

Como editora da Mídia NINJA, não sei colocar em palavras a dor que sentia a cada vez que entrava na página e via o post fixado com a foto de um rapaz negro com a Máscara de Flandres, uma cena tão antiquada quando torturosamente atual. Esse post chegou a mais de 130 mil compartilhamentos, mais de 15 milhões de pessoas alcançadas – o alcance de quem fura a bolha ao focar sua linguagem para mais de 50% dos brasileiros, a população negra.

Alegorias, fantasias, décimos e quesitos à parte, a agremiação de São Cristóvão, o quilombo da favela, termina aclamada como Campeã do Povo.

Estamos encerrando esse ciclo carnavalesco com a alma lavada nessa quarta-feira de cinzas, comemorando esta noite para acordar amanhã e seguir lutando contra o trabalho precário, o genocídio, a falta de acesso a saúde e educação, a solidão e tantos outros resquícios escravocratas no Brasil.

É um alento para aqueles que sabem que nenhuma revolução será feita se não partir de uma ótica antirracista, levando em consideração principalmente as mulheres negras. E, se não bastasse, conseguimos que o discurso chegasse a milhões de lares pelo veículo mais inusitado/golpista – a Globo.

Não somos escravos de senhor nenhum e nos vemos no sábado, Campeã.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Cleidiana Ramos

Com inserção na literatura, ialorixás ensinam caminhos de resistência

Fátima Lacerda

Os Deuses estão em festa: Gilberto Gil em Berlim!

Daniel Zen

De aerolula a aeroína: as falhas na segurança institucional do presidente da República

Tainá de Paula

Não há mídia isenta, meus caros

Juan Manuel P. Domínguez

Ave Terrena: “a cultura enriquece debates quando as instituições os empobrecem”

Sâmia Bomfim

Reforma da Previdência: a luta não acabou

Jorgetânia Ferreira

Tenho depressão, quem não?

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: medidas antidemocráticas pairam no ar

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?

Fátima Lacerda

Milton e Gil fazem do verão berlinense, uma Delicatessen musical

Dríade Aguiar

Amarelo como o futuro que nós construímos pra nós mesmos

Fátima Lacerda

Por que, Berlim?

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli