Por Emília Sosa | Copa FemiNINJA

Fotos: Ailura, Andreas Nilsson, Fernando Frazão/Agência Brasil, Noah Salzman

O FIFA Best Awards é um evento anual que acontece desde 1991, que visa premiar os melhores personagens de diferentes categorias do futebol, que inclui melhor jogador, melhor goleiro, melhor técnico masculinos e, melhor jogadora e melhor técnica feminina. A votação acontece em diferentes etapas, com 25% da participação dos torcedores através de votação online, e os outros 75% dividido entre técnicos das federações filiadas à FIFA, capitães das seleções e um pequeno grupo de jornalistas esportivos desses países.

Apesar de ser um grande e tradicional evento no mundo futebolístico, a categoria feminina começou a fazer parte desta votação somente em 2001 quando aconteceu a ascensão do futebol feminino.
A primeira mulher a vencer esse prêmio foi a americana Mia Hamm, conquistando seu segundo troféu no ano seguinte. Mas, o nome mais citado entre as premiações foi o da brasileira, Marta, vencendo seis vezes o prêmio, incluindo o último, no ano passado.

Segue abaixo uma relação das 10 melhores jogadoras do mundo FIFA dos últimos dez anos:

Marta – Brasil (2018, 2010, 2009 e 2008)

A maior vencedora do prêmio nos últimos 10 anos é a brasileira Marta que possui 4 dos últimos dez títulos e, seis em toda a sua história. Participando de sua quinta Copa do Mundo, ela saiu do interior de Alagoas para conquistar o mundo. Precisou viajar três dias de ônibus para ter a sua primeira chance de jogar em um time feminino, e foi no Vasco da Gama que encontrou essa oportunidade. Apesar da pouca valorização do futebol feminino no país, Marta se consagrou a melhor jogadora de futebol do Brasil. Atualmente faz parte do elenco do Orlando Pride, clube dos Estados Unidos.

Lieke Martens  – Holanda (2017)

Uma jovem jogadora holandesa que se consagrou quando foi protagonista ajudando a Seleção Neerlandesa na conquista da Eurocopa feminina em 2017. Recebeu o prêmio de melhor jogadora do mundo pela FIFA no mesmo ano. Atualmente atua no Barcelona na Espanha.

Carli Lloyd – EUA (2016, 2015)

Norte-americana que já venceu o prêmio de melhor jogadora do mundo FIFA duas vezes consecutivas. Atuou diretamente na conquista do terceiro Mundial dos Estados Unidos em 2015 que aconteceu no Canadá. Marcou três gols do meio de campo na vitória dos Estados Unidos contra o Japão na final do campeonato. Hoje Carli joga pelo Sky Blue FC dos Estados Unidos.

Nadine Kessler – Alemanha (2014, 2013)

Após as duas conquistas como melhor jogadora, em 2017, Nadine foi nomeada conselheira da UEFA para incentivar o desenvolvimento do futebol feminino na Europa, com a função de supervisionar o esporte e contribuir para o crescimento da modalidade. Com 28 anos de idade, Nadine teve uma aposentadoria precoce devido a uma lesão.

Abby Wambach – EUA (2012)

Fez parte da seleção dos Estados Unidos que ganhou o ouro nas Olimpíadas de 2004 em Atenas e 2012 em Londres. Bastante conhecida pelos seus gols de cabeça, inclusive um dos mais memoráveis foi contra o Brasil nas quartas de final da Copa do Mundo Feminina. Abby está aposentada.

Homare Sawa – Japão (2011)

Venceu o prêmio após conquistar o título da Copa do Mundo de Futebol Feminino em 2011 com o Japão, onde ganhou o título de melhor pontuadora. Hoje com 40 anos Homare defende o INAC Kobe Leonessa, clube de futebol feminino japonês.

NOVOS RUMOS
Com a grande divulgação da 8ª Copa do Mundo de Futebol Feminino, que acontece neste ano, a FIFA decidiu incluir mais duas categorias para no prêmio The Best do futebol feminino. Agora a melhor goleira também será premiada além da escolha da seleção com as melhores jogadoras da temporada.

Todos esses feitos são grandes conquistas para as jogadoras de futebol, que durante anos viveram às sombras do futebol masculino, muitas vezes jogando em situações precárias e sem o reconhecimento merecido. A Copa do Mundo Feminina de 2019 veio para quebrar paradigmas e abrir novos caminhos para o futuro de futebol feminino no mundo.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império