Por Marina Borges |  Copa FemiNINJA

Foto: FIFA / Divulgação

O Brasil tem a jogadora eleita seis vezes como melhor do mundo, a qual também é a maior artilheira da história da seleção canarinha, ultrapassando Pelé. Nem Cristiano Ronaldo nem Lionel Messi, Marta é a dona desse feito único. A alagoana representa hegemonia mundial tanto entre mulheres quanto homens, e fica cada vez mais difícil dimensionar o que a craque representa pro país, pro mundo e, principalmente, pro futebol feminino. Apesar de desvalorizada, a modalidade atingiu um outro patamar com a presença da brasileira, que vem deixando um legado de força e inspiração para milhares de meninas ao redor do globo.

Da consolidação à idolatria

Quando surge uma atleta como a Marta, o mundo para. Não porque não existem outras jogadoras talentosas, pelo contrário, há muitas “Martas” mundo afora, inclusive em território nacional. Porém, sobreviver do futebol feminino e conseguir se destacar por meio dele é tão raro que, quando acontece, caracteriza-se como um fenômeno. O Brasil ama a jogadora seis vezes eleita melhor do mundo, mas parece não querer ver outras figuras femininas no topo, simbolizando o sexo forte e não o frágil, que acompanhou as mulheres por tanto tempo. Este é um ponto a ser destacado: é muito importante ver jogadoras de futebol ganhando espaço, virando ídolas e se consolidando em um meio tão machista, mas, por outro lado, a falta de renovação no elenco é algo que persegue a seleção brasileira há um bom tempo e retarda o processo de desenvolvimento da modalidade.

Os reflexos de um ciclo vicioso

Formiga, Marta e Cristiane: para muitos, a tríade perfeita. Realmente, o Brasil tem o privilégio de poder contar com esse trio experiente e de extremo poderio técnico durante tantos anos. Entretanto, essa situação aponta para um agravante dentro da seleção: a falta de renovação no elenco como consequência de um ciclo vicioso.

A convocação para o Mundial deste ano trouxe ‘caras novas’, mas também mostrou a dependência que sofremos de craques antigas. O esforço que a Marta vem fazendo para se recuperar de uma lesão muscular na coxa esquerda, às pressas, ilustra essa situação. Para poder compor o time que enfrentará a Jamaica na estreia da Copa do Mundo, a camisa dez está submetendo a várias sessões diárias de fisioterapia. Obviamente, quando se tem atletas desse porte no time, há o desejo de poder contar sempre com eles, porém, a questão tem que ser analisada de forma mais profunda.

Foto: Raphael Alves | AFP

Se a equipe brasileira  tivesse tido uma renovação nas peças do time ao longo dos anos, Marta poderia respeitar seus limites físicos e até ser poupada no primeiro jogo, caso não estivesse 100%. No entanto, a presença da alagoana é mais que desejável, é imprescindível o que evidencia o quadro preocupante que vive a seleção canarinha.

O Brasil se deu ao luxo de abrir mão do investimento em novos talentos e da consolidação de novas peças-chave ao longo da última década e vem sentindo o impacto que essas ações estão gerando. Agora, não é mais possível fechar os olhos para um fato: o trio brasileiro já consagrado jogará sua última Copa junto neste ano e, mais do que só questionar, a pergunta “o que será da seleção brasileira sem Formiga, Marta e Cristiane?” tem que ser respondida. Por meio de atitudes que impulsionem o desenvolvimento do futebol feminino desde a base até a categoria adulta, a modalidade poderá colher frutos num futuro não muito distante e passar a ser mundialmente reconhecida e valorizada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?