Por Marina Borges |  Copa FemiNINJA

Foto: FIFA / Divulgação

O Brasil tem a jogadora eleita seis vezes como melhor do mundo, a qual também é a maior artilheira da história da seleção canarinha, ultrapassando Pelé. Nem Cristiano Ronaldo nem Lionel Messi, Marta é a dona desse feito único. A alagoana representa hegemonia mundial tanto entre mulheres quanto homens, e fica cada vez mais difícil dimensionar o que a craque representa pro país, pro mundo e, principalmente, pro futebol feminino. Apesar de desvalorizada, a modalidade atingiu um outro patamar com a presença da brasileira, que vem deixando um legado de força e inspiração para milhares de meninas ao redor do globo.

Da consolidação à idolatria

Quando surge uma atleta como a Marta, o mundo para. Não porque não existem outras jogadoras talentosas, pelo contrário, há muitas “Martas” mundo afora, inclusive em território nacional. Porém, sobreviver do futebol feminino e conseguir se destacar por meio dele é tão raro que, quando acontece, caracteriza-se como um fenômeno. O Brasil ama a jogadora seis vezes eleita melhor do mundo, mas parece não querer ver outras figuras femininas no topo, simbolizando o sexo forte e não o frágil, que acompanhou as mulheres por tanto tempo. Este é um ponto a ser destacado: é muito importante ver jogadoras de futebol ganhando espaço, virando ídolas e se consolidando em um meio tão machista, mas, por outro lado, a falta de renovação no elenco é algo que persegue a seleção brasileira há um bom tempo e retarda o processo de desenvolvimento da modalidade.

Os reflexos de um ciclo vicioso

Formiga, Marta e Cristiane: para muitos, a tríade perfeita. Realmente, o Brasil tem o privilégio de poder contar com esse trio experiente e de extremo poderio técnico durante tantos anos. Entretanto, essa situação aponta para um agravante dentro da seleção: a falta de renovação no elenco como consequência de um ciclo vicioso.

A convocação para o Mundial deste ano trouxe ‘caras novas’, mas também mostrou a dependência que sofremos de craques antigas. O esforço que a Marta vem fazendo para se recuperar de uma lesão muscular na coxa esquerda, às pressas, ilustra essa situação. Para poder compor o time que enfrentará a Jamaica na estreia da Copa do Mundo, a camisa dez está submetendo a várias sessões diárias de fisioterapia. Obviamente, quando se tem atletas desse porte no time, há o desejo de poder contar sempre com eles, porém, a questão tem que ser analisada de forma mais profunda.

Foto: Raphael Alves | AFP

Se a equipe brasileira  tivesse tido uma renovação nas peças do time ao longo dos anos, Marta poderia respeitar seus limites físicos e até ser poupada no primeiro jogo, caso não estivesse 100%. No entanto, a presença da alagoana é mais que desejável, é imprescindível o que evidencia o quadro preocupante que vive a seleção canarinha.

O Brasil se deu ao luxo de abrir mão do investimento em novos talentos e da consolidação de novas peças-chave ao longo da última década e vem sentindo o impacto que essas ações estão gerando. Agora, não é mais possível fechar os olhos para um fato: o trio brasileiro já consagrado jogará sua última Copa junto neste ano e, mais do que só questionar, a pergunta “o que será da seleção brasileira sem Formiga, Marta e Cristiane?” tem que ser respondida. Por meio de atitudes que impulsionem o desenvolvimento do futebol feminino desde a base até a categoria adulta, a modalidade poderá colher frutos num futuro não muito distante e passar a ser mundialmente reconhecida e valorizada.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Copa FemiNINJA

Um amor, um coração: Reggae Girlz unidas por um sonho

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal