Por Amanda Monte / Copa FemiNINJA

Foto: Arquivo

Asaléa de Campos Fornero Medina, mais conhecida como Léa Campos, é uma mineira de 74 anos que foi a primeira árbitra de futebol profissional do mundo reconhecida pela FIFA. Também é formada em Educação Física e Jornalismo. Mora atualmente em Nova York, nos Estados Unidos.

Sua paixão por futebol começou na época do colégio, quando levava uma bola de meia para jogar com os meninos muito contrariados, pois futebol feminino foi proibido por lei de 1941 a 1979. Anos depois, na época que se formou em jornalismo e trabalhava em rádios mineiras com jornalismo esportivo, concorreu e ganhou diversos concursos de beleza como “Rainha do Carnaval”, “Rainha do Futebol Amador”. Depois da primeira formação, graduou-se em Educação Física e fez o curso da Escola de Árbitros do Departamento de Futebol Amador da Federação Mineira de Futebol , depois de muitos impedimentos começou a trabalhar como árbitra.

Durante o período da ditadura foi presa diversas vezes por ser pega treinando jogadoras mulheres, mas não desistia. Em 1971, teve uma redenção, quando apitou no México um jogo entre Itália X Uruguai. A partir daí surgiram mais oportunidades e começou a ganhar maior destaque nos países europeus e no continente americano. Porém esse maior reconhecimento durou pouco, pois Léa sofreu um acidente de ônibus em 1974, que deixou a árbitra dois anos numa cadeira de rodas e teve que abandonar a profissão. Depois, continuou o tratamento e exames nos Estados Unidos e entre idas e vindas , conheceu seu atual marido o jornalista colombiano Luis Eduardo Medina, com quem se casou e foi morar no país norte-americano.

No ano de 2001, Luis, escreveu a biografia da esposa chamada “ As regras podem ser quebradas” em espanhol. Porém no Brasil, até hoje, nenhuma editora se interessou por uma versão em português do livro.

Depois da recuperação, a ex-árbitra continuou a trabalhar com o esporte através do jornalismo esportivo (algo que ela nunca abandonou) . Atualmente é colunista do jornal Brasillian Press, porém escrevendo sobre política e sempre que pode faz palestras.

 

Foto: Arquivo

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Cleidiana Ramos

Com inserção na literatura, ialorixás ensinam caminhos de resistência

Fátima Lacerda

Os Deuses estão em festa: Gilberto Gil em Berlim!

Daniel Zen

De aerolula a aeroína: as falhas na segurança institucional do presidente da República

Tainá de Paula

Não há mídia isenta, meus caros

Juan Manuel P. Domínguez

Ave Terrena: “a cultura enriquece debates quando as instituições os empobrecem”

Sâmia Bomfim

Reforma da Previdência: a luta não acabou

Jorgetânia Ferreira

Tenho depressão, quem não?

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: medidas antidemocráticas pairam no ar

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?

Fátima Lacerda

Milton e Gil fazem do verão berlinense, uma Delicatessen musical

Dríade Aguiar

Amarelo como o futuro que nós construímos pra nós mesmos

Fátima Lacerda

Por que, Berlim?

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli