Por Victória Amaro / Copa FemiNINJA

QUEREMOS ASSISTIR A COPA – A Associação de Servidores do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) entraram com o pedido para flexibilizar o expediente durante os jogos do Brasil na Copa do Mundo de Futebol Feminino. A iniciativa das mulheres da associação justificou o pedido lembrando que era a primeira vez na história que o evento seria transmitido em TV aberta no país e que no mesmo período, em 2018 houve flexibilização para os jogos da seleção masculina na Rússia. Infelizmente a secretária-geral do CNMP negou o pedido alegando que a magnitude e a tradição do evento e a alta demanda do serviço inviabilizaria a flexibilização do expediente de todo o órgão. Após o veto, o Conselho Nacional anunciou que irá transmitir, nas dependências da instituição, os jogos do Brasil na Copa e os servidores poderão assistir desde que acordado com o supervisor de cada área.

Mesmo com os desafios, nós continuaremos tentando assistir mulheres vencendo no esporte!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Copa FemiNINJA

Um amor, um coração: Reggae Girlz unidas por um sonho

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal