Por Victória Amaro / Copa FemiNINJA

QUEREMOS ASSISTIR A COPA – A Associação de Servidores do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) entraram com o pedido para flexibilizar o expediente durante os jogos do Brasil na Copa do Mundo de Futebol Feminino. A iniciativa das mulheres da associação justificou o pedido lembrando que era a primeira vez na história que o evento seria transmitido em TV aberta no país e que no mesmo período, em 2018 houve flexibilização para os jogos da seleção masculina na Rússia. Infelizmente a secretária-geral do CNMP negou o pedido alegando que a magnitude e a tradição do evento e a alta demanda do serviço inviabilizaria a flexibilização do expediente de todo o órgão. Após o veto, o Conselho Nacional anunciou que irá transmitir, nas dependências da instituição, os jogos do Brasil na Copa e os servidores poderão assistir desde que acordado com o supervisor de cada área.

Mesmo com os desafios, nós continuaremos tentando assistir mulheres vencendo no esporte!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

Juan Manuel P. Domínguez

Márcia Tiburi: “Fora do Brasil todos já perceberam que Bolsonaro é um maníaco”

Isa Penna

Isa Penna: Doria quer se desvincular de Bolsonaro. Você cai nessa?

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: lucros e dividendos - Parte 2

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?