Por Isadora Fonseca | Copa FemiNINJA

foto: reprodução

Sisleide do Amor Lima, a Sissi, nasceu em 1967 e foi uma das grandes pioneiras no futebol profissional feminino no Brasil. Sua trajetória de paixão e luta merece ser conhecida e reconhecida por todxs nós.

No ano de 1979, a lei que tornava proibitiva a prática de futebol feminino no Brasil foi abolida. E foi nesse mesmo período que Sissi estava descobrindo que o futebol seria a sua profissão e amor.

Mesmo vivendo em uma sociedade machista que pregava que o futebol não era “coisa de mulher”, e sendo até mesmo proibida de jogar bola pela sua família, Sissi não parava de sonhar. Ela relata que em um momento de sua infância ela falou “chega!”, e arrancou a cabeça da sua boneca para poder jogar “bola”.

Iniciou sua carreira profissional no São Paulo Futebol Clube, e teve visibilidade internacional jogando na seleção feminina de futebol nos jogos olímpicos, que aconteceram em Atlanta, no ano de 1996. A seleção foi para a semifinal mas terminou a competição na quarta colocação. Mesmo ainda desconhecida, a seleção feminina mostrou realmente a que veio.

Em 1999, a meio-atacante Sissi jogou na copa mundial de futebol sediada nos Estados Unidos, e foi a capitã da equipe que terminou a competição em terceiro lugar geral. Nessa copa, Sissi fez o gol de ouro da competição e conquistou a chuteira de ouro como artilheira do torneio.

Uma das marcas mais tristes de sua trajetória aconteceu quando a jogadora, sensibilizada pela história de uma criança que havia sido vítima de bullying por estar careca devido ao tratamento de um câncer, resolver raspar a cabeça em sua homenagem. A atitude de empatia e sororidade trouxe muitas críticas à craque, sobre estar “masculinizada” nos conceitos da sociedade. Sissi foi impedida, inclusive, de participar de um campeonato estadual, por não se adequar aos ideais machistas de aparência. Mas Sissi não parou de lutar pelo seu lugar, pelas suas escolhas e pela sua paixão, mesmo sendo motivo de piada por ter personalidade e defender suas convicções.

Hoje em dia ela mora nos EUA e treina um time de base de futebol feminino. Lá fora ela é reconhecida pelo seu trabalho, por sua garra e paixão genuína pela bola, e aqui? Por que não?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Araquém Alcântara

Araquém Alcântara: 'A Ferro e Fogo'

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Wilson Witzel e o chicote da barbárie

André Barros

É o coco do Figueiredo ou o cocô do Bolsonaro?!

Dríade Aguiar

Uma sessão solene para minha tia, uma marcha para minha vó

NINJA

General defende legalização da maconha medicinal?

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Tainá de Paula

Tainá de Paula: A (não) política habitacional de Witzel e Crivella

André Barros

Bolsonaro é pior que Creonte

Pedro Henrique França

Djanira: clipe de Illy aborda a descriminalização da maconha e empreendedorismo da cannabis

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?