Por Emília Sosa | Copa FemiNINJA

Gurias Gremistas conquistam o Gauchão Feminino | Foto: Gremio.Net

Parte da mobilização a favor do futebol feminino parte de 2016, quando a FIFA apresentou um plano de sua visão do futebol dos próximos dez anos, em que aponta uma maior valorização ao futebol feminino. Em 2017, a Conmebol impôs a obrigatoriedade para que até 2019, os clubes masculinos tenham equipes femininas e, só assim, serão autorizados a participar da Libertadores da América. Uma medida para que a categoria seja valorizada na América do Sul. O Grêmio, assim como outros clubes brasileiros, começou então a pensar no seu projeto. O time feminino surgiu em 2017, resultado de uma parceria com a Associação Gaúcha de Futebol Feminino (AGFF). Desde então as “Gurias Gremistas” vêm conquistando diferentes espaços no futebol feminino gaúcho e brasileiro.

O time feminino do Grêmio já iniciou sua carreira na primeira divisão do Campeonato Brasileiro, denominada, A1, em 2017. Mas no fim do mesmo ano, foi rebaixado pelo Vitória-PE, para a segunda divisão do Campeonato, a A2. Em 2018, o Grêmio assumiu inteiramente a direção da equipe feminina, com o objetivo de preparar e moldar uma equipe competitiva para os próximos anos, já que em 2019, também se tornou obrigatório que os times da primeira divisão do Campeonato Brasileiro, tenham equipes femininas, normas definidas pela CBF em 2017.

A primeira vez que participaram do Campeonato Gaúcho Feminino, as Gurias Gremistas chegaram à final e perderam para o seu principal rival, o Internacional, nos pênaltis, já em 2018, o resultado foi diferente e as Gurias levaram a taça do Estadual para casa, ganhando de 5 a 3 nas penalidades.

Neste ano, ainda na divisão A2 do Campeonato Brasileiro, o time já se classificou para às quartas de final do campeonato e está em busca do seu primeiro objetivo do ano, a classificação para a semifinal, que também garante a vaga na divisão A1 do campeonato de 2020. Com o encaminhamento para a reta final do Brasileiro, o time também visa o início do Campeonato Gaúcho feminino, que acontece no segundo semestre do ano e busca defender o título.

Apesar de recente, o Grêmio já faz investimentos no time feminino, como um estádio exclusivo para treinamento, alojamento e mando de jogos. O estádio Antônio Vieira Ramos, conhecido como Vieirão, fica localizado em Gravataí e pertence ao Cerâmica Atlético Clube, foi alugado pelo Tricolor para a realização das atividades das atletas. Ainda que pequenos esses passos, já impulsionam o futebol feminino, valorizando cada vez mais a atuação das mulheres nesse ambiente.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Fátima Lacerda

Os Deuses estão em festa: Gilberto Gil em Berlim!

Daniel Zen

De aerolula a aeroína: as falhas na segurança institucional do presidente da República

Tainá de Paula

Não há mídia isenta, meus caros

Juan Manuel P. Domínguez

Ave Terrena: “a cultura enriquece debates quando as instituições os empobrecem”

André Barros

Viés ideológico nazista de Bolsonaro

Jorgetânia Ferreira

Tenho depressão, quem não?

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: medidas antidemocráticas pairam no ar

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

Fátima Lacerda

Milton e Gil fazem do verão berlinense, uma Delicatessen musical

Dríade Aguiar

Amarelo como o futuro que nós construímos pra nós mesmos

Fátima Lacerda

Por que, Berlim?

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração