.

por João Victor

É início de semana e o foco já é no final. Checa lista. Checa evento. Checa baile. Passa o tempo. Passou a semana e a noitada foi escolhida. Bailão! Agora é só escolher sua roupa e a cor do seu batom. Ela decide com a ajuda das amigas pra ficar linda. Ela decide na hora de sair que não tá pronta ainda. Tá se achando feia, não sabe o que vestir, mas ela sabe que naquela noite ninguém vai resistir. Já tá atrasada meia hora, ta na hora de sair.

No uber é uma criança ansiosa pra se divertir. No baile é uma mulher que dança até o corpo permitir.

Enquanto se diverte, no cabelo vem um puxão. Em seguida, não satisfeito, vem o primeiro agarrão.

“Quem mandou ser gata assim e querer chamar muita atenção?”

Ela ir toda arrumada e você não resistir, não te dá o direito de encostar sem ela permitir.

A noite continua e a cena se repete. Não é cena de amor, é violência, meu querido, e digna de manchete. E ele insiste no machismo. Insiste no preconceito. Acha que seu balde com vodka e energético te faz o homem perfeito. Piada, meu camarada. Isso não quer dizer nada. A verdade é que isso só demonstra que tu é o merda da noitada. Ela quer ver o teu sorriso, se atrair pela sua conversa, quer saber da sua vida e não ser só mais uma “peça”. Mas o cara não entende e tem seu ego pra inflar. Continua. Enche o saco. Força até um beijo ela dar.

“Será que agora eu me livrei desse embuste?”

Porra nenhuma, querida, ele vai continuar ainda que isso custe.

A noite, acabou. Feia, nojenta e com tristes intenções. Na sua memória e de várias outras só tem péssimas recordações. Se juntam e retratam tudo que aconteceu.

Agressão, abuso, assédio e estupro, talvez com uma lista as meninas não sejam difamadas e virem o foco do assunto. Mobilizaram uma cidade e revoltaram uma parcela.

Parece até mentira, parece história de novela. Na noite são os machões, na vida são os vilões. Mas eles não podem se queimar, têm que manter a pose de durão. Pra isso, um dos muitos “inteligentes” fez uma lista pra dizer qual sexo é o bom. Caíram em mais um erro e promoveram outra agressão. Talvez seja doença ou falta de informação, se ponha no seu lugar e preste muita atenção.

Você não é dono de ninguém e aprenda: NÃO É NÃO

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

Pequenos movimentos sociais de novo tipo

Anielle Franco

Anielle Franco: A luta continua

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Suas ideias continuarão vivas

Dríade Aguiar

Mamãe da Putaria

Ivana Bentes

Ivana Bentes: O que prova a sua morte?

Colunista NINJA

Benedita da Silva: Quem mandou matar Marielle Franco?

Renata Mielli

Renata Mieli: A morte de Marielle Franco, o discurso de ódio e a desinformação

Maria do Rosário

Maria do Rosário: Quem mandou matar Marielle Franco?

Daniel Zen

A Reforma da Previdência de Bolsonaro

NINJA

Banquetaço reúne movimentos sociais e sociedade civil pela volta do Consea

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle

Raull Santiago

Raull Santiago: Um ano

Joana Mortagua

Joana Mortágua: O país que Marielle voltará a pisar

Daniel Zen

Daniel Zen: Julgamento honesto e eficaz para Marielle

Liana Cirne Lins

Discutir porte de armas em meio à tragédia não é palanque; é responsabilidade