Foto: Mídia NINJA

Foto: Marcelo Rocha Mídia NINJA

O Diário Oficial da União desta quinta-feira, 25 de maio, publicou uma edição extra para anunciar a anulação do polêmico decreto assinado por Michel Temer na tarde de ontem autorizando o uso de forças militares e da Lei da Garantia da Ordem na região dos ministérios em Brasília.

O primeiro decreto foi publicado também por Temer numa tentativa exagerada de “manter a ordem” na Esplanada. A Polícia Militar do DF já havia utilizado de bombas, balas de borracha, spray de pimenta, cavalaria e até armas letais para cercear o direito de livre manifestação da população durante ato organizado por movimentos sociais, sindicais e estudantis, que reuniu mais quase 200 mil pessoas no Eixo Monumental de Brasília.

A atitude provocou reação imediata de movimentos e entidades ligadas aos direitos humanos, o que fez o presidente voltar atrás hoje e publicar o novo decreto.

Repercussão negativa

No Congresso Federal, a bancada de deputados do PSOL apresentou um Projeto de Decreto Legislativo para suspender o decreto de Temer.

A Frente Brasil Popular, uma das responsáveis pela mobilização desta quarta junto à Frente Povo Sem Medo, publicou nota de repúdio à violência policial e uso das forças armadas.

O presidente nacional do Partido dos Trabalhadores publicou nota em que considera demonstração de força totalmente injustificada e covarde. Ainda relembra que o decreto “nos remete a retrocessos típicos dos anos de chumbo da ditadura militar”.

O Conselho Nacional dos Direitos Humanos também publicou nota repudiando o uso das Forças Armadas, no qual reforça que tal ato compromete a estabilidade das instituições democráticas e republicanas deste país. Termina a nota se posicionando pela revogação imediata do Decreto.

A Anistia Internacional afirmou que é um choque saber da notícia e que as autoridades abriram um precedente grave com esta convocação. Reiterou sua preocupação com o aumento das violações de direitos humanos no país.

No início da noite, o site Justificando publicou um compilado de opiniões de juristas, que apontaram o decreto como crime de responsabilidade e medida autoritária, inconstitucional e ilegal.

Mesmo na base do governo a ação gerou controvérsias. Apesar de ser um dos responsáveis pela atuação truculenta da polícia, já que a PM é subordinada ao governador do estado, Rodrigo Rolemberg, afirmou que recorrer às forças armadas é uma “medida extrema” e que foi adotada sem conhecimento prévio e nem anuência do Governo de Brasília.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Jean Wyllys

Jean Wyllys: O racismo de sempre no carnaval do Rio

Tulio Ribeiro

Trump autoriza o uso de armas letais contra imigrantes

Jean Wyllys

O Brasil em promoção: Quantas privatizações foram prometidas por apoios a Bolsonaro?

Margarida Salomão

Pobreza por merecimento

Caetano Veloso

Caetano Veloso entrevista Guilherme Boulos

Daniel Zen

Daniel Zen: Reflexões de um domingo

Daniel Zen

O Chanceler e o Ministro da Educação do Reich Bolsonarista

Tulio Ribeiro

Israel fracassa em invasão, Netanyahu e Hamas acertam cessar fogo baixo, Ministro da Defesa se demite

Tulio Ribeiro

Israel avança com genocídio e prende criança de oito anos

Ana Júlia

Ana Julia: Ideologias e pensamentos políticos existem. Aceite isso.

NINJA

Opinião: Cai de vez a máscara de Moro

Sonia Guajajara

Sonia Guajajara: Democracia pela mãe terra

Tulio Ribeiro

O genocídio palestino

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Legado dos governos petistas foi mais importante na educação

Tulio Ribeiro

Mattis e o roubo do século