A disputa de narrativas sobre a troca de mensagens entre o então juiz federal Sérgio Moro e o procurador da operação Lava-Jato Deltan Dallagnol teve mais um capítulo no último domingo (16/06).

Um grupo de perfis – grande parte com características de propaganda computacional (robôs) – deu popularidade à hashtag #showdopavão no Twitter, a partir tarde de domingo.

A maioria dos posts continha notícias falsas contra o jornalista Glenn Greenwald, um dos responsáveis pelo site The Intercept Brasil que está publicando as conversas entre Moro e Dallagnol. Entre as desinformações espalhadas especialmente a partir da conta @opppavaomisterio estão a acusação de que Glenn defende o nazismo ou que tem relações com os hackers russos que teriam invadido os celulares do juiz e do procurador da Lava-Jato.

A partir de uma coleta de todas as publicações feitas no Twitter com a hashtag #showdopavão entre a tarde e a noite do dia 16, analisamos as imagens que circularam vinculadas a esses posts. Durante as primeiras seis horas do evento, foram publicados mais de 77 mil tweets e retweets, originados de cerca de 18 mil usuários. Esse recorte de tempo mais curto se justifica por compreender a gênese do movimento. Depois desse período atores mais alinhados na defesa de Greenwald entraram em ação, assim como o próprio jornalista, o que deu outra dinâmica ao termo #showdopavão.

Deste conjunto de tweets capturamos aproximadamente 2.500 imagens e, após processamento, disponibilizamos para visualização dinâmica e interativa de tipo “Pulsão de Imagens”. A “Pulsão de Imagens” é uma visualização de dados que utiliza a linguagem JavaScript com biblioteca D3.js (Data-Driven-Documents) e tem como principais elementos analíticos as cores predominantes das imagens, e as interações destas ao longo do tempo.

A visualização foi planejada para ser publicada e executada em um servidor web. O período temporal em horas está abaixo do eixo “X”, que mostra uma escala cromática indo do branco ao lilás; o volume de compartilhamentos da imagem é o eixo “Y”; o diâmetro do círculo que representa cada imagem aumenta ou diminui em função da popularidade do tweet no qual a imagem está vinculada. O usuário pode analisar cada período clicando no controlador e avançando ou retrocedendo a sua exibição. O ícone play exibe a visulização de modo automático. Caso o usuário queira analisar o tweet de origem da imagem basta clicar no círculo e a publicação será aberta em outra aba do browser que estiver usando.

Memes, desinformação e preconceito

As imagens que circularam no Twitter podem ser divididas em dois grandes grupos. Um reúne prints e republicações das supostas articulações de Glenn com hackers para pagar pela vaga de deputado federal que seu marido ocupou quando o deputado eleito Jean Wyllys decidiu não assumir em função das ameaças de morte que vinha sofrendo. Esses prints aparecem nas regiões de verdes e brancos na visualização. Nos cinzas estão imagens do jornalista ao lado de um homem com inscrição da suástica, na tentativa de associar o responsável pelas publicações que lançaram dúvida sobre a imparcialidade da Lava-Jato com movimentos neo-nazistas.

Já outro conjunto aglutina imagens de Glenn Greenwald associado a pavões, como se o vencedor do Oscar e do prêmio Pulitzer estivesse usando as mensagens da Lava-Jato para se promover.

Fica evidente ainda nas imagens da origem do movimento #showdopavão a atuação coordenada de alguns perfis, que avisam que a “Operação” iria começar, como pode ser observado nas imagens dos primeiros tweets. Além disso, festejam o “sucesso” da empreitada.

*Por Fábio Goveia, professor da Universidade Federal do Espírito Santo e professor visitante da City – University of London. Coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic).

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Cleidiana Ramos

Com inserção na literatura, ialorixás ensinam caminhos de resistência

Fátima Lacerda

Os Deuses estão em festa: Gilberto Gil em Berlim!

Daniel Zen

De aerolula a aeroína: as falhas na segurança institucional do presidente da República

Tainá de Paula

Não há mídia isenta, meus caros

Juan Manuel P. Domínguez

Ave Terrena: “a cultura enriquece debates quando as instituições os empobrecem”

Sâmia Bomfim

Reforma da Previdência: a luta não acabou

Jorgetânia Ferreira

Tenho depressão, quem não?

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: medidas antidemocráticas pairam no ar

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?

Fátima Lacerda

Milton e Gil fazem do verão berlinense, uma Delicatessen musical

Dríade Aguiar

Amarelo como o futuro que nós construímos pra nós mesmos

Fátima Lacerda

Por que, Berlim?

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli