Por Herton Gustavo Gratto.

.

Fim da linha pra você, ex – presidente ladrão.
Mesmo sem provas
bato panelas
em prol da sua condenação.
Isso é pra você aprender
que o pobre só tem direito a uma refeição.
Fim da linha pra você, metalúrgico boçal.
Isso é pra você aprender
a nunca mais fazer assistência social
com meu dinheiro
e nem se atrever a transformar em engenheira
a filha do pedreiro.
Fim da linha pra você ex-presidente aleijado.
Não é pelo triplex
que você está sendo condenado,
é pela sua ousadia
em ajudar o garçom
a virar advogado, em contribuir
pra ascensão do negro favelado
que agora acredita
que pode estudar medicina,
sair da miséria
e até conhecer a Capela Sistina.
Fim da linha pra você, ex-presidente bandido.
Isso é pra você aprender
que o nordeste deve continuar a ser esquecido
e que saúde e educação
é pra quem pode
e não pra quem quer.
Fim da linha pra você, semi analfabeto atrevido.
Graças a sua insensatez
o filho da faxineira
chamou o meu filho de amigo.
Você está sendo condenado
pela sua falta de noção
de achar que pobre é gente e
que agora pode usar aparelho nos dentes,
ter casa própria e andar de avião.
Fim da linha pra você, ex-presidente imundo.
Isso é pra você parar com essa palhaçada
de estimular a minha cozinheira
a querer ter carteira assinada.
Era só o que me faltava,
o proletariado sonhar com qualidade de vida.
Você devia saber
que essa gente nasceu pra me servir
e não pra ser servida.
Mas, você é tão inconsequente,
não enxerga um palmo diante do nariz
e fez a babá do meu caçula
sonhar que pode estudar e ser atriz,
fazer aula de inglês…
essa pouca vergonha
é resultado
da sua insensatez,
da sua irresponsabilidade desmedida.
Aprenda de uma vez que
barriga vazia
e bala perdida
fazem parte do cotidiano
dessa gente bronzeada.
Foi querer mudar o mundo e
se meteu numa enrascada.
Fim da linha pra você, ex presidente imbecil.
Você está sendo condenado
não por ter roubado,
porque isso não foi provado.
Seu erro
foi fazer história e
ser do tamanho do Brasil,
ter oitenta por cento de aprovação popular,
acreditar em igualdade
e saber governar.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Souza Santos: As esquerdas e as eleições do desconhecido

Jean Wyllys

Jean Wyllys: Não se faz fofoca com o assassinato de Marielle

Ericka Gavinho

Segurança pública e eleições

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: As relações de trabalho

Vinícius Lima

O que aprendi conversando com o invisível: Genival

Tulio Ribeiro

Um judicialismo político para salvar Macri

Vinícius Lima

SP Invisível: Maria aparecida de Jesus, mas pode me chamar de Doidinha

Tulio Ribeiro

O tango que os Argentinos não gostaram

Mônica Horta

A não-moda brasileira

Liana Cirne Lins

É hora do PT mostrar que aprendeu

André Barros

Paes é Cabral. Cabral é Paes

André Barros

Criminalização racista da maconha

Jean Wyllys

Jean Wyllys: 6 perguntas para Jair Bolsonaro

Pastor Ariovaldo

Pastor Ariovaldo: Trabalho como direito e espaço de realização

André Barros

As 23 condenações de junho de 2013