Brasília – Manifestantes pró (à direita) e contra (à esquerda) o impeachment ocupam a Esplanada dos Ministérios durante o processo de votação na Câmara dos Deputados Foto: Juca Varella/Agência Brasil

Brasília – Manifestantes pró (à direita) e contra (à esquerda) o impeachment ocupam a Esplanada dos Ministérios durante o processo de votação na Câmara dos Deputados Foto: Juca Varella/Agência Brasil

Eu estava de um dos lados daquele muro erguido no dia 17 de abril, há um ano atrás, na Esplanada dos Ministérios. Triste símbolo da radicalização política e social promovida no Brasil. Eu estava do lado dos que lutavam pela democracia, contra o golpe que iria retirar uma presidenta eleita com 54 milhões de votos do poder com a farsa de um impeachment sem crime e sem provas. Eu estava com mulheres, meninas, homens, meninos de todos os cantos do Brasil, gente pobre e rica, negros, indígenas, LGBT, a frente popular, o povo sem medo que decidiu resistir. Um ano se passou e tenho orgulho.

Eu estava e quero continuar do lado certo da história.

O domingo fatídico de um ano atrás, quando deputados envolvidos com denúncias de corrupção e perdedores da última eleição realizaram o mais hipócrita dos espetáculos do Congresso ainda dói no peito. Mas nós, estudantes, fizemos desde então o que nos cabe: resistir e combater os retrocessos que viriam. A UNE está no mesmo lado que sempre esteve, seja durante o combate aos fascistas na Segunda Guerra Mundial, seja nas trincheiras da luta contra a ditadura militar, em qualquer momento em que o curso da história apontou para um caminho obscuro. Nossa luz segue acesa.

Um ano depois, chegou a hora de derrubar todos os muros. Não há como aceitar as ações desse governo sem voto que recaem sobre toda a população e massacram principalmente os mais pobres. Não há muro que separe o conjunto dos estudantes que vai perder com o desmanche de programas como o Prouni, a cobrança de mensalidades nas universidades, o fim do Ciência Sem Fronteiras, a reforma que na verdade deforma o ensino médio e retira a qualidade de ensino da juventude.

Não há muro que separe o sofrimento dos brasileiros e principalmente das brasileiras que vão ser escravizadas com essa Reforma da Previdência, vendo suas aposentadorias indo embora enquanto poucos seguem privilegiados. Não há muro que separe o medo de quem vê se aproximar uma Reforma Trabalhista e a Lei da Terceirização que acabem com seus direitos mais básicos. Não há muro que separe o gosto da injustiça para a população pobre que vê o congelamento dos investimentos na Saúde, na Educação, na Segurança por inacreditáveis 20 anos enquanto o mercado financeiro lucra horrores com a máquina pública.

O Brasil já sabe o que está acontecendo e não é hora de radicalizar as cobranças nem os dedos na cara sobre o que se passou. Precisamos é derrubar as divisões, com urgência, para seguir com força contra os absurdos que são hoje votados no Congresso do nosso país. Temos um encontro marcado no próximo dia 28 de abril, com a maior Greve Geral já realizada em nossa história. Estamos um ano do lado de cá. Queremos que este seja, na verdade, o lado de todas e todos que acreditam no Brasil.

Vamos à luta.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Boaventura de Sousa Santos

Boaventura de Sousa Santos: A intransparente transparência: Assange, Lula e Moro

Clayton Nobre

Quem levou o BBB?

Spartakus Santiago

1 cor e 80 tiros: Por que precisamos lembrar que vidas negras importam?

Preta Rara

Enquanto a dor preta só atingir os corpos pretos, vamos continuar morrendo todos os dias

Tainá de Paula

Tainá de Paula: Impeachment? Renuncie, Crivella

Benedita da Silva

Lula Livre: A bandeira da luta pela democracia

Sâmia Bomfim

Bolsonaro: 100 dias de desgoverno

Manuela d'Ávila

Manuela d'Ávila: Nunca me senti tão bonita como me sinto aos 37

Ivana Bentes

Tortura: podia ser eu ou você

Movimento dos Pequenos Agricultores

Mulheres camponesas, resistência e as políticas do governo Bolsonaro

Bruno Ramos

Foram 80 tiros, mano! E não era gravação do Rambo

Sâmia Bomfim

Samia Bomfim: 31 de março: nada a celebrar

Daniel Zen

Comitiva brasileira se porta como uma república de bananas em terras de Tio Sam

Preta Rara

Quando a dor é preta, não viraliza

Macaé Evaristo

Macaé Evaristo: Levante por Marielle