.

.

Parça da uma atenção! Temer e seu time de Ministros “Canalhas F. C.” é coisa ruim, é oposição e são apoiados pelos covardes pra atrasar o nosso lado.

Vou explicar o que tá acontecendo nesse jogo. É o nosso time que tá em campo, no centro do debate político. Tenta imaginar que isso que tá acontecendo no cenário político é uma partida de futebol: o time do Temer, “Canalhas F. C.”, seria o mais monstro, com uma estrutura foda, parecido com esses times da Europa, e o nosso, do povo e da periferia, é o “Quebrada F. C.”, um time de rua que está acostumado a jogar em chão de terra, sem muita regra e estrutura.

A diferença é que o time dos caras tem técnico, massagista, vestiário, uniforme, caneleira, chuteira TOP, kit primeiros socorros, socorristas, jogadores reservas, orientadores, psicólogos, equipe de mídia, PATROCINADORES PRA CARALHO, a porra toda pra auxiliá-los, se duvidar até Whisky 18 anos no vestiário pra da um relax, até nutella no pão do técnico!

O nosso time é um time simples, é um time que joga a pelada de final de semana na rua, joga descalço, sem camisa, sem muita estrutura.

Na hora do intervalo a gente bebe água quente da torneira da casa do vizinho, o socorrista e o kit primeiro socorros é um pouco de cachaça trazido pelo seu Zé (do bar da esquina) pra jogar em cima do tampão do dedo perdido no chão ou asfalto, o santo remédio do seu Zé ajuda até matar umas micoses, se tiver.

As traves do gol tem uma altura imaginária e é feita de pedras ou com chinelo; o escanteio e a lateral do campo é medido pela guia da calçada. A juíza dessa partida de rua geralmente é a dona Cida, que fica na janela pescoçando a nossa vida, ou seu Francisco, o Zé Bedel de rua.

É quase impossível da gente ganhar do “Canalhas F. C.” pela nossa falta de estrutura. Detalhe, o comédia do juíz é o juiz Touro e foi comprado pelos caras. FODEU! Não tem saída.

Nesse jogo vai até rolar uns rolinho, chapeuzinho e até umas cotoveladas na cara.

O nosso jogo é mesmo o mais bonito e emocionante de se ver, mas a lógica é sempre os caras ganharem todas as partidas.

E é osso entender tudo que está acontecendo, e o que vai transmitido pela televisão até o paga pau do Zé Povinho Bueno é pago pelos caras.

Em meio a tudo isso, não é nossa culpa não saber ao certo o que tá acontecendo. E também não é falta de capacidade da nossa parte não entendermos as regras desse jogo, pelo contrário, entendemos tudo e sabemos o quanto tudo isso representa e que ao final dessa partida vai azedar muito o resultado do nosso placar.

Só que os caras tem o dom de distorcer a caminhada certa, e sabemos na prática e na teoria o quanto é difícil bater de frente com jogo que foi criado por eles pra nos aniquilar, nos colocar em cana, e perder todas as partidas da jogada da vida real.

Viagem minha acreditar que um dia essa porra vai mudar. Vai mudar sim e pra pior, com a retirada dos direitos trabalhistas, aumentando o tempo de contribuição do INSS, terceirizando as formas diretas de trabalho, sucateando a saúde, precarizando a educação, colocando a polícia pra oprimir os nossos torcedores, fechando escolas, roubando merenda, passando pano pra quem é culpado e culpando quem é inocente.

Cortam todas as formas que poderíamos ter de ganhar esse jogo. Um jogo que não é pra amadores, que foi criado pra gente perde todas as partidas.

Os caras tem mais de 200 anos de experiência e tradição, tem vários títulos de meteção de louco!

Até a entidade que deveria fiscalizar as regras desse jogo recebe uma quirela por fora, aí é osso bater de frente, né. É osso mas não é impossível, e a história já nos provou isso.

Uns 30 e poucos anos atrás apareceu um “Tiozão” visto como doido por eles, em cima de um caixotinho, falando um bolão de coisas a respeito das regras desse jogo, e que tinha muita coisa errada nessas partidas e que quase ninguém entendia nada, mas as pessoas que estavam lá ouvindo as idéias sabiam que deveriam dar uma atenção maneira para o que ele estava falando.

Primeiro porque era um dos nossos correndo por nós e segundo porque era parça da geral. Daí em diante esse “Tiozão” passou a ser o técnico da gente, até que começamos a ganhar várias partidas e títulos.

Equipamos nosso time pesado, passamos a dar uma atenção maneira pro nosso pessoal. O rango, a estrutura e a vida estava ficando maneira nos 3 primeiros grandes torneios que nós ganhamos – um torneio que acontece a cada 4 anos, pique Mundial de Copa do Mundo mesmo tá ligado – só que veio o 4° torneio que ganhamos os cara… digo “Canalhas F. C.”, perderam a linha com a gente, falaram que tava errado o resultado do placar, que nóis burlamos o título da última final, que aconteceu em outubro de 2014.

Rasgaram o papel dos acordos (que foi atualizado em 88) e tacaram o fodasse no bagulho.

Começaram a fazer uns exames doido tipo anti-doping, alegando um monte de babaquice dos nossos jogadores, e principalmente do nosso técnico.

Mas já era de se esperar e de se imaginar que a preocupação maior do técnico do “Canalhas F. C.” fosse que o mesmo “Tiozão” que fez o nosso time se tornar uma seleção FODA nos últimos tempos voltasse a comandar a nossa equipe em 2018.

Continua na próxima coluna..

Brasil é sim o país das 3 paixões: 1° do futebol, 2° das Minas foda pra caralho e 3° Agora é o país do Batidão, do Funk!

#SimNósPodemosÉAFavelaPrimeiro
#Tiozão2018

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império