Arte: Angelo Arede / Design Ativista

Pois é, não era gravação do Rambo 6 aqui no Brasil, era uma tentativa de abordagem do exército, em mais uma favela do Rio de Janeiro.

OITENTA tiros, mano! Esse despreparo todo do Estado brasileiro virou piada de mau gosto, enquanto corpos negros lotam as valas.

Pedir paz é o caralho! Xs nossxs viram estatística, enquanto branco faz palanque em época de eleição falando da violência, das desigualdades sociais e do que precisa ser feito para quebrada.

Mais de 60 mil mortes! Esse é o registro do último mapa nacional da violência. Entre os mortos, a grande maioria é de jovens de 15 a 29 anos de idade, negrxs, oriundos das periferias.

Mas não era isso que vocês queriam? Um show de horror de povo preto e pobre se lascando, mina sendo arrastada pelas ruas da cidade dentro de camburão, indígena sendo queimado no Plano Piloto e paredão aleatório de fuzilamento à luz do dia por suspeita de… porra nenhuma? Eu fico me perguntando: Se o exército, com o treinamento que tem, precisa dar 80 tiros pra parar um carro, qual vai ser o tamanho da cagada quando a população estiver armada?

O caos está instaurado. Mas sejamos nós o esparadrapo da desordem! Introduzamos uma dose extra de anarquia na vida das pessoas e que caia a Babilônia.

Obrigado aos 57.797.847 eleitores do Bolsonaro, “PT não dá mais, né”?

“Somos contra a corrupção”, e tome laranja fazendo merda com dinheiro público. “Tudo pela família”, e dale bala na família de trabalhador…

Vocês gostam mesmo é de ver o país nos moldes da Santa Inquisição. Mas se a gente não estiver em paz, ninguém mais estará, viu? Eu ouvi um amém, igreja?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império