Arte: Angelo Arede / Design Ativista

Pois é, não era gravação do Rambo 6 aqui no Brasil, era uma tentativa de abordagem do exército, em mais uma favela do Rio de Janeiro.

OITENTA tiros, mano! Esse despreparo todo do Estado brasileiro virou piada de mau gosto, enquanto corpos negros lotam as valas.

Pedir paz é o caralho! Xs nossxs viram estatística, enquanto branco faz palanque em época de eleição falando da violência, das desigualdades sociais e do que precisa ser feito para quebrada.

Mais de 60 mil mortes! Esse é o registro do último mapa nacional da violência. Entre os mortos, a grande maioria é de jovens de 15 a 29 anos de idade, negrxs, oriundos das periferias.

Mas não era isso que vocês queriam? Um show de horror de povo preto e pobre se lascando, mina sendo arrastada pelas ruas da cidade dentro de camburão, indígena sendo queimado no Plano Piloto e paredão aleatório de fuzilamento à luz do dia por suspeita de… porra nenhuma? Eu fico me perguntando: Se o exército, com o treinamento que tem, precisa dar 80 tiros pra parar um carro, qual vai ser o tamanho da cagada quando a população estiver armada?

O caos está instaurado. Mas sejamos nós o esparadrapo da desordem! Introduzamos uma dose extra de anarquia na vida das pessoas e que caia a Babilônia.

Obrigado aos 57.797.847 eleitores do Bolsonaro, “PT não dá mais, né”?

“Somos contra a corrupção”, e tome laranja fazendo merda com dinheiro público. “Tudo pela família”, e dale bala na família de trabalhador…

Vocês gostam mesmo é de ver o país nos moldes da Santa Inquisição. Mas se a gente não estiver em paz, ninguém mais estará, viu? Eu ouvi um amém, igreja?

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Cleidiana Ramos

Com inserção na literatura, ialorixás ensinam caminhos de resistência

Fátima Lacerda

Os Deuses estão em festa: Gilberto Gil em Berlim!

Daniel Zen

De aerolula a aeroína: as falhas na segurança institucional do presidente da República

Tainá de Paula

Não há mídia isenta, meus caros

Juan Manuel P. Domínguez

Ave Terrena: “a cultura enriquece debates quando as instituições os empobrecem”

Sâmia Bomfim

Reforma da Previdência: a luta não acabou

Jorgetânia Ferreira

Tenho depressão, quem não?

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: medidas antidemocráticas pairam no ar

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?

Fátima Lacerda

Milton e Gil fazem do verão berlinense, uma Delicatessen musical

Dríade Aguiar

Amarelo como o futuro que nós construímos pra nós mesmos

Fátima Lacerda

Por que, Berlim?

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli