Arte: @porracristo / @designativista

O imperador romano Nero mandou incendiar Roma e ficou se deleitando da destruição tocando uma lira, pois se considerava um “artista”.

Bolsonaro não é um “artista”, muito pelo contrário, odeia artistas, mas imita Nero no seu instinto de destruição e manda tocar fogo no Brasil. Deleita-se da destruição do país não com uma lira, mas com suas fake news.

Mas Bolsonaro não imita Nero apenas como incendiário, mas também na perseguição aos seus inimigos. Quem não estiver com ele está contra ele, só não manda matar como fazia Nero porque não pode, mas bem que gostaria.

Ele destrói o pulmão do mundo, a selva amazônica, literalmente pelo fogo. Os focos de incêndio são tantos que a fumaça atinge São Paulo. O mundo, apavorado, começa a ficar asfixiado com tanta barbaridade e irresponsabilidade.

Bolsonaro age também como o bárbaro Átila, que por onde passava deixava um rastro de destruição e morte. Ele destrói não apenas o meio ambiente, mas também a economia, o emprego, a educação, a saúde, a cultura, os direitos humanos, sociais e civis e a soberania de nosso país.

Com certeza muitos dos que votaram em Bolsonaro não tinha a menor ideia de quem ele era de fato. Por isso vem crescendo tanto o número de arrependidos.

Bolsonaro é tão ruim quanto Nero e Hitler juntos. Parece até a versão atual das “Sete Pragas do Egito”, só que em maior número. Mas podemos destacar sete de suas maldades:

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império