Foto: Elineudo Meira

Dois dias antes do assassinato de Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes completar um ano, a Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro apresentaram ao país e ao mundo o autor dos 13 disparos de arma de fogo. A pergunta continua: Quem mandou matar Marielle?

Uma circunstância do crime, por si só relevante, é que o autor dos 13 disparos que mataram Marielle e Anderson mora no mesmo condomínio do Presidente da República. O fato de ambos serem vizinhos deveria, no mínimo, gerar grande preocupação ao Presidente, que sofreu há poucos meses um atentado a facada contra sua vida. Se alguém que executou pelas costas, com tiros nas costas, uma Vereadora da cidade e vive ao lado do Presidente da República, também poderia fazer o mesmo com ele, que, estranhamente, fez pouco caso desse fato.

Muitos disseram que o fato do autor imediato do crime morar ao lado de uma pessoa não quer dizer que exista qualquer ligação entre os dois. Concordo, mas não é o que estamos afirmando nem é esse o caso, pois estamos entrando na fase processual. O crime está comprovado, a materialidade existe, que são os corpos de Marielle e de Anderson. Em relação à autoria, há fortes indícios de que foi praticada pelo ex-policial Ronnie Lessa. Depois das provas serem submetidas ao contraditório judicial, o Juiz pode assentar o espírito sobre a certeza da autoria imediata, alcançando a convicção judicial para condenar o denunciado. Mas todos sabem que o autor executou uma ordem e isso faz parte da investigação. Várias linhas já foram, estão sendo e serão investigadas.

Uma das linhas de investigação deve ser o Presidente da República, que fez do símbolo da sua campanha uma arma com as próprias mãos. O mundo sabe que o Presidente do Brasil destila ódio contra os Direitos Humanos, é homofóbico, defende a tortura, a violência policial, a sanguinária ditadura militar e ataca as feministas. Tudo que Marielle era, representava e representa. Por isso foi assassinada. Mulher, negra, favelada, lésbica, feminista e uma sensacional parlamentar, com grande votação e que tinha o dom da oratória. O fato do assassino de Marielle ser vizinho do Presidente da República combinado com todas essas circunstâncias já mereceria uma forte investigação.

Mas ainda tem mais: as evidentes relações do Presidente da República e de seus filhos políticos com a milícia e o escritório do crime são indícios de liame subjetivo que precisam ser pesados nessa linha de investigação, que busca saber quem foi o mandante deste covarde feminicídio, mediante emboscada e pagamento, com tiros nas costas e pelas costas, de forma que impossibilitou qualquer defesa da vítima.

Outro estranhamento levantado por essa descoberta da polícia e do Ministério Público é como ninguém sabia que o autor de um homicídio de repercussão mundial morava naquele condomínio, para onde estavam voltadas todas as atenções do país, com a presença da mídia nacional e mundial, órgãos de informação, polícias Federal e Estadual e seguranças? Justamente no local em que foi realizada toda a campanha do Presidente eleito do Brasil! Não existiu qualquer levantamento da vizinhança durante a campanha, ao menos dos órgãos de informação, que atuam de forma secreta? Ninguém sabia disso nem sequer informou ao Presidente da República?

Quem mandou o vizinho do Presidente da Republica matar a Marielle?

Quem mandou o vizinho do Presidente da Republica matar a Marielle?

Publicado por André Barros em Terça-feira, 19 de março de 2019

ANDRÉ BARROS, advogado da Marcha da Maconha, mestre em Ciências Penais, vice-presidente da Comissão de Direitos Sociais e Interlocução Sociopopular da Ordem dos Advogados do Brasil e membro do Instituto dos Advogados Brasileiros

Rio de Janeiro, 22 de marça de 2019

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal