Foto: Erika Borba / Mídia NINJA

Na madrugada de 26 de abril de 2019, quando completo 53 anos de idade, escrevo meu texto semanal sobre a farsa da seletividade de dois dos crimes mais praticados no Brasil e no mundo. Começo pela corrupção nas licitações públicas: não vou citar aqui propriamente os crimes de corrupção ativa e passiva, mas a conduta de empresários milionários e bilionários que combinam os preços e quem vai ganhar as obras públicas, as linhas de ônibus, a exploração das barcas, do metrô e do trem, os aparelhos hospitalares, a merenda escolar, as quentinhas do presídio e as fatias das estradas onde serão cobrados os pedágios. Quem não sabe no Brasil que tudo isso sempre foi combinado por empresários e banqueiros em seus rega-bofes?

Mas o tal do combate à corrupção sempre foi selecionado na História. Virou escândalo no governo Vargas, que se matou. No governo do Jango, que foi obrigado a deixar o país. No governo Lula, que está preso. Por que será que a corrupção só virou escândalo nesses governos? Por que será que Lula é o único Presidente da República condenado criminalmente e preso? A lei foi feita para funcionar em todo o sistema jurídico e em todos os mercados, mas selecionaram a Petrobrás e a Oderbrecht numa operação chamada Lava Jato. Um juiz avocou todos os processos se dizendo prevento para julgar as licitações públicas de duas empresas. E toda farsa agora está mais do que explicada. O juiz, que condenou o candidato que ganharia a eleição, foi nomeado Ministro da Justiça pelo presidente, que só foi eleito porque seu principal concorrente não pôde disputar a eleição. Agora, todo o Brasil já sabe que ninguém queria combater a tal da corrupção, a qual faz parte do próprio negócio no capitalismo. O que no Brasil chamam de corrupção eleitoral, nos Estados Unidos é lobby legal e faz parte do negócio. A indústria armamentista, por exemplo, aplica bilhões em todos os candidatos que podem ganhar, mas investe mais em quem vai ajudar mais seu mercado de armas e munições.

No tráfico de maconha acontece a mesma seletividade nacional e mundial. Enquanto nos Estados Unidos já consiste num grande mercado legal, no Brasil é crime com penas altíssimas, onde a morte é institucionalizada. Basta dizer que o assassinado era traficante que o agente da polícia que matou está perdoado pelo sistema judicial. Aqui, a maconha é vendida em todos os lugares e por todas as classes sociais. Como todo o mercado, o da maconha tem seus produtores, distribuidores e varejistas. Mas o sistema reprime apenas o varejo do mercado onde estão adolescentes e jovens negros e pobres. O sistema penal ataca apenas os vendedores que recebem o material já enrolado, em mutucas repartidas em pequenos pedaços. O sistema sabe que a distribuição e a produção são realizadas por traficantes milionários num mercado bilionário, mas seletivamente não ataca esses setores do mesmo mercado.

E a forma de condenar nos crimes de tráfico de maconha e corrupção é a mesma. Enquanto no tráfico basta a palavra da polícia, no de corrupção, basta a palavra do delator. Qualquer outra prova é desconsiderada, nem sequer é submetida ao contraditório. Tudo é uma farsa, o sistema penal punitivo é da classe dominante, forte contra os pobres e fraco contra os ricos.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Copa FemiNINJA

Um amor, um coração: Reggae Girlz unidas por um sonho

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal