Sreet Art: Luis Bueno

O capitão do mato tinha a função de capturar os negros escravizados que buscavam a liberdade, chamados de “fugitivos” e era uma figura imprescindível para a sustentação do regime escravocrata, estruturado na monocultura exportadora, mão de obra escrava e no latifúndio. Os capitães do mato eram homens livres pobres ou escravos libertos, que ocupavam um posto de menor prestígio no aparato estatal. Eram úteis à repressão por conhecerem as rotas de fuga, de modo que recebiam armamentos e recompensas dos senhores de engenho e fazendeiros para capturar os escravos e destruir os quilombos.

Quando a Coroa Portuguesa chegou ao Brasil, em 1808, fugindo do Napoleão, encontrou uma cidade de maioria negra. O Rio de Janeiro recebeu a maior população escravizada do mundo. Com seus 15 mil fugitivos, a Coroa trouxe bibliotecas e cartórios, dentre os quais a Intendência de Polícia e ainda tratou logo de criar a Guarda Real. Grande número de capitães do mato foram integrar essas forças policiais e militares.

O atual Presidente da República foi aposentado como capitão. Aqui, se apresenta como um homem que resolve tudo na base da bala e da disciplina e tem como símbolo dois dedos apontados como uma arma. Entretanto, na esfera internacional, não disfarça seu sabujismo. Não mede esforços para bajular o Trump e os Estados Unidos, a que constantemente se refere como “uma nação amiga”. Comporta-se como um verdadeiro capitão do mato, violento com os negros e pobres e um puxa-saco com seus senhores.

Ele alcançou ao ápice do mito deste país como quintal norte-americano ao dizer que vai nomear seu filho embaixador do Brasil nos Estados Unidos. De forma transversa, nos faz recordar Dom João VI, quando retornou a Portugal em 1821, deixando aqui seu filho Pedrito. Hoje, em 2019, é Bolsonaro que fica na colônia e manda seu filho Eduardito para a metrópole.

Como um papagaio de imitação, repete a célebre frase do militar Juraci Magalhães, embaixador do Brasil em Washington na ditadura militar: “O que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil”. Creio que muitos maconheiros – pasmem! – que votaram no Bolsonaro pensaram que agora a maconha seria legalizada no Brasil como vem acontecendo nos Estados Unidos.

Ledo engano, pois seu ministro Osmar Terra não quer ver a maconha em terras brasileiras! Chegou a declarar que, se a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA – autorizar o plantio de maconha no Brasil, mesmo para beneficiar as multinacionais da maconha medicinal, ele vai fechar a agência!

Esse desgoverno entreguista não só ataca a Constituição e as leis, como paga pra ver e ameaça a nação com o “prendo e arrebento”. Não podemos ficar de boca aberta vendo a morte dos negros e pobres nas favelas e o desmatamento da Amazônia. Vamos às redes sociais e às ruas defender o Brasil e “verás que um filho teu não foge à luta!”

O Bolsonaro é o capitão do mato do Trump!

Posted by André Barros on Tuesday, July 23, 2019

 

André Barros, advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, vice-presidente da Comissão de Direitos Sociais e Interlocução Social Popular e membro do Instituto dos Advogados Brasileiros

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império