Foto: Mídia NINJA

26 de maio de 2018 foi um dia histórico para o Brasil. 100 mil pessoas fizeram a maior fumaça em plena Avenida Paulista. No meio daquela imensa Marcha da Maconha do Brasil, destacava-se uma faixa com os seguintes dizeres: “Maconheiros apoiam caminhoneiros”. Poucos dias antes, nas redes sociais, havia circulado o desenho de um caminhão verde, com a folha da maconha, escrito #somostodosmaconheiros.

O importantíssimo movimento dos caminhoneiros autônomos tem amplo apoio da população, afetada por um país que lutou, mas perdeu o transporte ferroviário para o transporte sobre rodas. Jamais sequer chegou ao Brasil o carro totalmente feito de maconha apresentado por Henry Ford em 1941 nos Estados Unidos, com carroceria de cânhamo e biodiesel de semente da erva da paz.

Temos um país onde todos os produtos, inclusive o gás de cozinha, chegam à nossa mesa, de caminhões movidos a diesel. Até a maconha prensada do Paraguai chega ao Brasil de caminhão. A ditadura militar proibiu carros a diesel e permitiu essse combustível apenas nos caminhões de carga e ônibus. Até hoje, praticamente toda a distribuição de cargas no Brasil é realizada por caminhões movidos a diesel. Quando privatizou a histórica Rede Ferroviária Federal (R.F.F.S.A.), o governo Fernando Henrique Cardoso “fechou o caixão” da luta por um país de ferrovias ao entregar o que restava de nosso transporte de carga por trem. Só não “doou” o transporte de passageiros, porque nenhuma empresa se interessou, daí acabou! Nem o tão falado “legado olímpico” foi capaz de realizar o sonho da ligação do Rio de Janeiro para São Paulo pelo trem bala.

O cenário é claro, nem precisa desenhar: Michel Temer e Pedro Parente, respectivamente, presidentes do Brasil e da Petrobrás, são “vendilhões da pátria”. Criaram um nova política de preços em que os valores de todos os derivados do petróleo são reajustados pela oscilação do dólar. Para completar, reduziram a capacidade de produção das refinarias de petróleo do Brasil, fazendo com que 80% do diesel refinado passassem a ser importados. Voltamos a exportar petróleo cru e a importar seus derivados refinados, agora, reajustados pelo dólar.

Se todos os produtos são distribuídos em caminhões a óleo diesel e o diesel é reajustado pela variação cambial, conseguiram atrelar toda a economia brasileira ao dólar. O golpe final pode ser a eleição desses entreguistas do PMDB, PSDB, DEM, PRB e PSL, que vem a ser o nono partido ao qual Bolsonaro se filiou. Se ganharem o pleito que se aproxima, esses “vendilhões da pátria” vão doar a Petrobrás aos sedentos acionistas americanos e não teremos mais como reclamar de nenhum aumento de preços no Brasil.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império