https://www.facebook.com/advogadoandrebarros/videos/1745780898847354/

 

No 21º episódio do programa FUMAÇA DO BOM DIREITO, no dia 17 de julho de 2018,  o bate papo foi com o Fiscal do Estado do Rio de Janeiro, Alexandre Reinhart, que trabalha há 10 anos especificamente com Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS. O programa foi sobre a legalização da venda da maconha e o enorme aumento da receita tributária que isso poderia gerar. Pois num mercado legalizado é isto que acontece: o pagamento de impostos sobre a circulação de mercadorias.

O convidado do programa fez um dos concursos mais difíceis da história da Fazenda Estadual, onde passaram apenas 37 candidatos, quando eram 90 vagas, mas não foram preenchidas por falta de pontuação mínima. Reinhart pegou os dados oficiais do Estado do Colorado nos Estados Unidos da América, onde está legalizada a venda da maconha desde 2014, e por uma simples equação obteve a relação entre a legalização da maconha no Brasil e a receita tributária estimada de ICMS que pode gerar para o Estado do Rio de Janeiro.

Verificou que a venda total de maconha e derivados no Estado do Colorado em 2017 foi de US$ 1,507,702,219 (Um bilhão, quinhentos e sete milhões, setecentos e dois mil e duzentos e dezenove dólares). Fazendo a divisão per capita do Produto Interno Bruto da Maconha chegou ao valor de US$ 268,90 (duzentos e sessenta e oito dólares e noventa centavos) por pessoa no Estado do Colorado, que tem uma população de 5.607.000 (cinco milhões e seiscentos e sete mil habitantes). Então converteu US$ 268,90 (duzentos e sessenta e oito dólares e noventa centavos), usando o câmbio oficial de 16 de julho de 2018 que foi de R$ 3,85, e chegou ao PIB per capita da maconha no Estado do Rio de Janeiro de R$ 1035,27 ( um mil, trinta e cinco reais e vinte e sete centavos), por pessoa. Multiplicou pelo número de habitantes do Estado do Rio de Janeiro, que tem uma população de 16.720.000 (dezesseis milhões e setecentos e vinte mil habitantes) e chegou ao PIB da maconha do Estado do Rio de Janeiro de 17 bilhões e 309 milhões de reais. Trata-se de uma estimativa. Utilizando, então, a maior alíquota de ICMS de 37%, que é a do cigarro, chegou ao valor de 6 bilhões e 404 milhões de reais de receita tributária. Valor superior ao que se arrecada em ICMS de Petróleo e energia elétrica, as maiores receitas do Estado. De toda a receita do Estado, a maior parte vem do ICMS, algo em torno de 80%.

O enorme PIB da maconha, querendo-se ou não, está circulando em nosso Estado, mas não é computado pela ilegalidade. Além dos bilhões gastos com o mercado de armas e munições, que seriam reduzidos com a legalização, o Estado está jogando fora mais de 10 % da sua receita. Se o Estado do Rio de Janeiro comemorou o PIB de 47 bilhões e 21 milhões, 2,28% superior à previsão, o que não comemoraria com mais 6 bilhões e 404 milhões de reais em sua receita tributária!

Estamos jogando fora bilhões num Estado que sequer consegue pagar seus professores e médicos. Temos de começar imediatamente a quebrar esse tabu e debater na mesa do bar e em todos os lugares a legalização da venda da maconha nas favelas e em todo o Estado do Rio de Janeiro.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Cleidiana Ramos

Com inserção na literatura, ialorixás ensinam caminhos de resistência

Fátima Lacerda

Os Deuses estão em festa: Gilberto Gil em Berlim!

Daniel Zen

De aerolula a aeroína: as falhas na segurança institucional do presidente da República

Tainá de Paula

Não há mídia isenta, meus caros

Juan Manuel P. Domínguez

Ave Terrena: “a cultura enriquece debates quando as instituições os empobrecem”

Sâmia Bomfim

Reforma da Previdência: a luta não acabou

Jorgetânia Ferreira

Tenho depressão, quem não?

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: medidas antidemocráticas pairam no ar

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Mônica Horta




Criadores autorais do Brasil... cadê vocês?

Fátima Lacerda

Milton e Gil fazem do verão berlinense, uma Delicatessen musical

Dríade Aguiar

Amarelo como o futuro que nós construímos pra nós mesmos

Fátima Lacerda

Por que, Berlim?

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli