Foto: Gabi Stradiotto/ Estudantes NINJA

Quando são muitas, as coincidências transformam-se em evidências. A primeira evidência é a de que o Presidente da República é um miliciano. Queiroz, ex-PM e assessor de gabinete de Flávio Bolsonaro, indicou para trabalhar no mesmo a mulher e a mãe de Adriano, ex-PM e chefe do escritório do crime da milícia. Hoje foragido, ele era “caveira”, assim como Ronnie Lessa, o exímio atirador escolhido para matar a vereadora Marielle Franco, vizinho de condomínio de Bolsonaro. Queiroz e Ronnie conheciam-se muito bem, há anos, e juntos tinham negócios em Rio das Pedras e Gardênia Azul, áreas da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro dominadas pela milícia.

Amigo da família Bolsonaro há 30 anos, Queiroz foi descoberto pelo COAF – Conselho de Controle das Atividades Financeiras – que apurou a movimentação de 1 milhão e 200 mil reais na conta de Queiroz no Banco Itaú. O mesmo Conselho que Sérgio Moro tentou avocar para seu Ministério da Justiça, evidentemente, a fim de controlar esse tipo de movimentação. Além disso, Queiroz pagou, por uma cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, 133 mil reais em dinheiro vivo. Trata-se do mesmo hospital que fez a cirurgia em Bolsonaro, para tratá-lo de um atentado a “facada” ocorrido durante a campanha. O golpe perfuro-cortante, que não derramou uma gota de sangue sequer, foi usado como justificativa para que Bolsonaro não participasse de nenhum debate durante toda a campanha eleitoral.

Agora o Brasil entende porque Bolsonaro não queria participar de debates. Está demonstrando que é uma pessoa completamente despreparada para exercer o cargo de Presidente da República, que só diz tolices na hora e lugar errados. Um vendilhão da pátria que vai aos Estados Unidos dizer que nossas portas estão abertas para levarem o que quiserem, sem nem precisarem pagar!

É esse presidente que liberou a venda de armas às milícias e para quem quiser comprar, de preferência da marca Taurus. Ele ainda quer liberar a venda de fuzil, para dificultar a distribuição de terras desse imenso latifúndio brasileiro. Em poucos meses, legalizou 169 agrotóxicos que envenenam nossa comida. Vai sancionar uma lei de drogas (PLC 37) que visa lucrar com a internação involuntária de milhares de brasileiros a custo de 15 mil reais por paciente ao ano. Ainda quer entregar nossa aposentadoria para os bancos privados internacionais. É o governo de armas, venenos e internações, sem aposentadoria.

O corte de 30 % da educação foi o estopim para trazer a multidão novamente às ruas. Convocadas por compartilhamentos nas redes sociais, milhões de pessoas no Brasil saíram com o grito: “não vai ter corte, vai ter luta!” No dia 15 de maio, 500 mil pessoas tomaram a avenida Presidente Vargas no Rio de Janeiro. Como em junho de 2013, amanhã vai ser maior. No dia 30 de maio, voltaremos à avenida Presidente Vargas, e quantas vezes mais forem necessárias, até Bolsonaro sair da Presidência da República. Vamos cantar: “Doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano!”

Assista o programa Fumaça do Bom Direito:

FORA BOLSONARO

Posted by André Barros on Tuesday, May 21, 2019

 

ANDRÉ BARROS, advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, vice-presidente da Comissão de Direitos Sociais e Interlocução Sociopopular da OAB/RJ e membro do Instituto dos Advogados Brasileiros.

Rio de Janeiro, 25 de maio de 2019

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Copa FemiNINJA

Histórias de quem trabalha nos bastidores do futebol

Daniel Zen

As mensagens secretas da Lava-jato: crime e castigo

Tainá de Paula

Execução por no mínimo 15 tiros não pode ser tipificada como crime banal

André Barros

Moro contra Lula

Laio Rocha

Taça das Favelas coloca futebol de várzea no centro

Colunista NINJA

'A única coisa que salva um país é a cultura', afirma Moacyr Luz

Mônica Horta

Moda autoral brasileira presente!

Daniel Zen

É a economia, estúpido!

André Barros

Marchas da Maconha foram maiores que atos de Bolsonaro

Colunista NINJA

Mosquito e Inácio Rios: “A gente respeita o samba autêntico”

André Barros

Aperta a pauta, Toffoli

Colunista NINJA

“Fazer samba é uma resistência e está totalmente ligado à política”, afirma Júlio Macabu da nova geração

Cleidiana Ramos

#15M: Uma lição para esperança e vigilância

Margarida Salomão

Balas e Chocolates: o ataque de Bolsonaro à Universidade brasileira

Fatine Oliveira

Sinto muito, Damares. Meu lugar é na universidade federal